Não se apegue ao passado

Não se apegue ao passado, não queira fazer dele, o altar de tua lembranças “

Marii.

Não se prenda a um passado, não se cobre tanto por causa de uma situação que não ficou bem resolvida.

É comum vermos pessoas se culpando por questões que ficaram la atrás, ou seja, no passado. Coisas quem nem sempre dependem delas próprias para ter um final feliz, ou bem-sucedido, como queira.

Se ficou algo por resolver, procure refletir, ouça o que você mesmo ( a), pode colocar no lugar que compreende que tem a importância de estar ali. Respeite, o porquê de certas situações. Às vezes, temos que passar, e não tem jeito, é nesse ” atrevessar” que tudo se transformar.

Acredito que tudo na vida acontece assim, há um propósito, há uma finalidade. Claro, não foi uma experiência boa, mas te levou a ter uma compreensão maior acerca da vida? ótimo. Corra o risco de ser generoso consigo mesmo ( a). Aceito que você fez o necessário para justificar isso a si mesmo, da maneira que tem que ser, com ‘menos peso’. Não se culpe! Entenda, nem tudo depende de nós. Às vezes, depende do outro lado também.

[…]

Essa é a maneira de proceder corretamente. Se pensarmos dessa forma, se consegue respirar, ter um sopro de vida. Às vezes, o que mata é o que está dentro e não fora. Tenha o devido respeito pelas coisas boas e ruins que já vivenciou . Todavia, olhe para o passado como uma lição que te impulsiona a ir adiante, caminhar.

Acredite em você. Se há por um lado, algo que você acredita ser muito forte e é impossível de superar. Eu tenho algo bom pra te falar, vai passar. Essa trincheira que vez por outra, ganha um significado maior em nossa mente, ela nos arremessar para o epicentro das nossas inquietações. Bate com força, certamente. Mas olhe para o agora, o hoje. É isso que importa. São as adversidades que justamente, nos leva a ter uma compreensão maior acerca da vida.

Viva o hoje. Reflita sobre o que passou, mas abrace com generosidade o seu presente. É ele que vai oferecer a você oportunidade de construir um futuro melhor.

Marii Freire Pereira

Imagem: Google

Santarém, Pá 22de abril de 2020

O Bêbado e o Equilibrista

” Caía a tarde feita um viaduto

E um bêbado trajando luto me lembrou Carlitos

A Lua, tal qual dona de bordel

Pedia a cada estrela fria um brilho de aluguel

E nuvens, lá no mata- borrão do céu

Chupavam manchas torturadas, que sufoco

Louco, o bêbado com chapéu de côco

Fazia irreverência mil pra noite do Brasil, meu Brasil

Que sonha com a volta do irmão do Henfil

Com tanta gente que partiu num rabo de foguete

Chora a nossa pátria, mãe gentil

Chora Marias e Clarices no solo do Brasil...”

Elis Regina, O Bêbado e o Equilibrista, 1973

Fonte: LyricFind

Marii Freire Pereira

VEM comigo!

Imagem: Google

Santarém, Pá 22 de abril de 2020

Quando me olhares

Quando me olhares pela primeira vez

Irás atravessar a linha tênue de teus pensamentos

e num instante, me verás com olhos de amor.

Provarei do teu beijo

E cantarei o teu canto.

Por um tempo

Serei só tua

E entre as criaturas

Não existirá outro igual a ti.

Os meus olhos serão só dos teus olhos

Não permitirei que a ilusão e a miséria

Dos meus dias

Venha dizimar os sonhos

Nem amnésia

Não, meu amor

Não serás esquecido.

Viverás além do sol!

Viverás dentro de mim, no meu pensamento.

Serei o teu último suspiro

Antes do teu vôo…para o infinito .

Marii Freire Pereira

Imagem: Google

Santarém, Pá 22 de abril de 2020

Mario de Andrade

“A cabeça desliza com doçura,

E nas pálpebras entrevistadas

Vaga uma complacência extraordinária.

É pleno dia. O ar cheira passarinho.

O lábio se dissolve em açúcares breves,

O zumbido da mosca, embalança do sol.

…Assurbanipal…

A alma, à vontade,

Se esgueira entre as bulhas gratuitas,

Deixa a felicidade ronronar.

Vamos, irmão pequeno, entre as palavras e deuses,

Exercer a preguiça, com vagar.

Quando morrer eu quero ficar,

Não contém aos meus inimigos,

Sepultados em minha cidade,

Saudade.

Meus pés enterrem na rua Aurora,

No Paissandu deixem meu sexo

Na Lopes Chaves a cabeça

Esqueçam.

No Pátio do Colégio afundem

O meu coração paulistano:

Um coração vivo e um defunto

Bem juntos…”

Mário de Andrade. IX . Esse poema sem título pertence à Livraria Paulistana, publicado após a morte do pieta, em 1946.

Literatura Comentada, São Paulo, 1990

VEM comigo!

Marii Freire Pereira

Santarém, Pá 22 de abril de 2020

Elza Soares

Meu choro não é nada além de carnaval

É lágrima de samba na ponta dos pés

A multidão avança como vendaval

Me joga na avenida que não sei qualé

Pirata e super homem cantar o cantor

Um peixe amarelo beija minha mão

As asas de um anjo soltas pelo chão

Na chuva de confetes deixo a minha dor

Na avenida, deixei lá

A pele preta e a minha voz

Na avenida, deixei lá

A minha fala, minha opinião

A minha casa, minha solidão

Joguei do alto do terceiro andar

Quebrei a cara e me livrei do resto dessa vida

Na avenida, dura até o fim…”

Elza Soares, Mulher do Fim do Mundo

Composição: Alice Coutinho/ Romulo Flores

https://m.letras.mus.br

Marii Freire Pereira

VEM comigo!

Imagem: Google

Santarém, Pá 21 de abril de 2020

Florbela Espanca

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior

Do que os homens! Morder como

quem beija!

É ser mendigo e dar como quem seja

Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor

E não saber sequer que se deseja!

É ter cá dentro um astro que flameja,

É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!

Por elmo, as manhãs de oiro e de

cetim

É condensador o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente…

É seres alma, e sangue, e vida em mim

E dizê-lo cantando a toda a gente!

Florbela Espanca, SER POETA

Pensador.com

Marii Freire Pereira

VEM comigo!

Santarém, Pá 21 de abril de 2020

Recomeçar

Aonde você parou, aonde deixou de acreditar na vida? Vamos, descubra novos motivos para conseguir adiante.

Às vezes, a impressão que dá, é a de que tudo o que há de injusto só acontece conosco. Esse é um pensamento ingênuo. É como se nós, deixássemos de pensar e ficassemos ali, no raso de nossas incertezas. É como se de repente, a vida recua-se, querendo descansar, sem levar em consideração que só há uma ordem a cumprir. E uma ordem no imperativo, que é vá. Portanto, caminhe, mova-se sem descanso, esmague as injustiças e, encontre forças para andar em direção ao que deseja.

É isso mesmo que você está lendo. Deixe o pensamento ingênuo de lado e no seu lugar, procure dialogar com você, descubra o motivo real daquilo que te fez parar por um instante no tempo. Dê espaço ao novo, procure ter um pensamento crítico diante de todas as contradições que a vida te der a oportunidade de conhecer. Tente dominar e não ser dominado pelo medo, com isso, terás esperança e a vida se move em direção ao que deseja.

Volte acreditar em si mesmo (a). Leve em conta o fato de que, tudo muda. Mas, a maioria das mudanças surgem para trazer um significado muito maior a tudo aquilo que já vivemos.

Vamos lá, acredite mais em você, na sua força, na sua capacidade. Mude o instante, o inverso, a ocasião, mude você. Junte os pedaços e veja a pessoa melhor que você se transformou. Tenho certeza que em um ser humano forte, consciente e com novas aspirações.

[…]

Mova-se em direção aos seus sonhos. Acredite, você…pode.

Marii Freire Pereira

VEM comigo!

Imagem: Google

Santarém, 21 de abril de 2020

Carlos Drummond de Andrade

” Penetra surdamente no Reino fãs palavras.

Lá estão os poemas que esperam ser escritos.

Estão paralisados, mas não há desespero,

há calma e frescura na superfície inata.

Ei-los sós e mudos, em estado de dicionário.

Convive com teus poemas, antes de descrevê-los.”

Carlos Drummond de Andrade, Procura da Poesia. ( A Rosa Do povo, 1945)

Literatura Comentada.

VEM comigo!

Marii Freire Pereira

Santarém, Pá 21de abril de 2020

Alter do Chão

Paraíso utópico

Uns de chamam de Amor

Outros de pequena Vila.

A tua beleza me encanta

Tudo em ti se fez doce

Tudo em ti se fez vida

Com o seu calor

Os meus olhos irradiam- se de luz

Fascinas

Nos teus dias de sol!

Sabe aonde Deus estava inspirado quando te criou tão graciosa?

Na perfeição.

Ou deu uma suave dica a Poseidon

Aqui faço adentrar a luz do desejo

e assim, arquitetou essa formosura

Que numa brincadeira

Fez a Ilha do Amor.

” Santarém, vou além dos teus encantos!…”

Vou olhar para o céu

e diante desse rio

Vou sentir os meus olhos sorrindo

E quando for embora desse lugar

Sei que vou sentir os olhos desaguar

Irei tropeçar nas lembranças

Vivas desse lugar

Alter do Chão

Sou amante de tua essência

E num breve silêncio …

Irei te chamar de Amor

Marii Freire Pereira

Imagem: Emi Okada

Santarém, Pá 21 de abril de 2020