Perdas

” As subtrações da vida, nem sempre são injustas. Claro que perder dói, mas perdas também podem representar ganhos. Nós, não ‘ganhamos’ sempre que ganhamos. Às vezes, se ganha justamente ao contrário, ou seja, quando perdemos. É a vida nos apresentando as suas contradições. Quem nunca viveu a experiência da mudança, da perda e nãoContinuar lendo “Perdas”

Atemporais

Há mais de quatrocentos anos, Shakespeare e Cervantes nos deixou. Porém, suas obras são um clássico da Literatura Mundial. Claro, cada um com sua marca. Shakespeare era dramaturgo e poeta, Cervantes romancista por excelência. A verdade é que, os dois são considerados gênios da literatura, porque dentre outras coisa, essa parte da literatura é provocativa,Continuar lendo “Atemporais”

Carlos Drummond de Andrade.

Em verdade temos medo. Nascemos escuro. As existencias são poucas: Carteiro, ditador,soldado. Nosso destino, incompleto. E fomos educados para o medo. Cheiramos flores de medo. Vestimos panos de medo. De medo, vermelhos rios vadeamos. Somos apenas uns homens e a natureza traiu- nos. Há as árvores, as fábricas, doenças galopante, fomes. Refugiamo-nos no amor, esteContinuar lendo “Carlos Drummond de Andrade.”

Ricardo Reis ( heterônimo de Fernando Pessoa)

Quando há alguma coisa de belo a dizer em vida, esculpe-se; quando há alguma coisa de belo a fazer em alma, faz-se versos. A prosa é para a correspondência quer a correspondência particular, quer a correspondência geral, chamada literatura. A poesia não é literatura: é Arte. Ricardo Reis, Fernando Pessoa Revista Prosa e Verso eContinuar lendo “Ricardo Reis ( heterônimo de Fernando Pessoa)”