Ferreira Gullart TRADUZIR-SE Uma parte de mim é todo mundo: outra parte é ninguém: fundo sem fundo. Uma parte de mim é multidão: outra parte estranheza e solidão. Uma parte de mim pesa, pondera: outra parte delira. Uma parte de mim almoça e janta: outra parte se espanta. Uma parte de mim é permanente: outra parte se sabe de repente. Uma parte de mim é só vertigem: outra parte, linguagem. Traduzir uma parte na outra parte – que é uma questão de vida ou morte – será arte? “Na Vertigem do Dia.”

Coragem é o resultado final de todos seus limites.

Só após passar por todas as dificuldades e encará-las de frente, é que você pode dar-se ao luxo de dizer: EU POSSO. …CONSEGO. Não pense que é fácil. Os desertos servem exatamente para isto, para o preparo. Para mostrar que limite é algo que você tem que superar. O caminho é longo!.. … É longoContinuar lendo “Coragem é o resultado final de todos seus limites.”

Cárcere das almas.

Ah, Toda a alma num cárcere anda presa, Soluçando nas trevas, entre as grades Do calabouço olhando intensidades, Mares, estrelas,tardes, natureza. Tudo se veste de uma igual grandeza Quando a alma entre grilhões as liberdades Sonha e, sonhando, as imortalidadesRasga no etéreo Espaço da Pureza. Ó almas presas, mudas fechadas Nas prisões colossais e abandonadas,Continuar lendo “Cárcere das almas.”