Regredir

Vou usar esse termo da psicologia para falar acerca de um problema muito simples, mas que acontece comigo e com você de maneira que é preciso ter muita sensibilidade para aceitar.

Regredir é conseguir voltar no tempo e olhar para a nossa história de um jeito verdadeiro.

Um amigo pode nos fazer regredir, uma canção também tem esse poder de estabelecer essa coisa grandiosa do ser humano que é fazer uma visita ao passado, tirando os pesos a mais que por ventura, acabam nos sobrecarregado de alguma maneira

Quando criança, todos nós, temos boas histórias para contar. Minha avó é o meu melhor exemplo, de força, luta e determinação. Levava uma vida simples, vida de campo, e ao longo fos anos sempre troquei experiência positivas com ela. Tive inúmeras oportunidade de aprender coisas boas. A primeira foi o significado de cafuné (…)

” Ela deitava a minha cabeça em suas pernas e com aquelas mãos macias, deixava os dedos correr devagarinho entre os cabelos, apertando o couro cabeludo de um jeito gostoso “.

Nessa época, eu deveria ter cincos a seis anos, mas guardo boas recordações. Alice, esse era o nome dela. Era uma mulher de uma fé inabalável. Só vi chorar uma única vez na vida, quando o seu filho mais novo saiu de casa em busca de tentar melhorar a sorte em outra cidade. O resto do tempo, ela era séria, de vez enquando dava uma risada gostosa, até hoje eu lembro!..

Bem, como vivia e passei Boa parte de minha vida ali naquele lugar, fui aprendendo a reconhecer todas as dificuldades (restrições da vida), que aquela mulher vivia e sem reclamar. Por hábito, percebi que ela gostava de rezar, e me ensinou até, talvez por saber e querer me fortalecer por conta do que a vida não teria nenhuma dificuldade de me tomar (…)

Ela fazia aquilo dia, a após dia, e por incrível que pareça, eu não consigo fazer o mesmo hoje . Mas, posso dizer que tudo o que aprendi, serve de inspiração para que eu possa enfrentar as dificuldades que a vida vez ou outra me convida a conhecer. E o bonito da nossa história é essa maneira de como a gente se interpreta, de como se busca, de como podemos voltar as nossas origens e não esquecer de quem somos, apesar de nos tornarmos outra com o tempo. Sim, tem muita gente que leva a uma vida simples, mas que depois de um diploma e algum dinheiro que conseguiu juntar, acaba tornando-se outra pessoa, as vezes até arrogante. Pena, pois tal fato, ocorre devido, entre outras coisas, por conta dessa falta de maturidade, autoconhecimento, amadurecimento interior. É porque você vive em prol de uma imagem, onde tem que se mostrar bonito e feliz o tempo todo para ao outro, e quanto chega às reviravoltas ( porque a vida cobra e cobra caro), vê-se um ser humano cheio de orgulho, doente por tanta coisa que inventou para alicerçar um mundo imaginário. Nada como conseguir mudar de vida, mas sem esquecer das nossas origens.

A vida é boa, mas quando podemos viver em paz consigo, com o passado, como o que é verdadeiro. É claro que, existem passados carregados de dor, remorso, lagrimas, onde se percebe que, ainda que nasça o deseje, de fazer as pazes, não é possível. Por conta da quantidade de feridas que há ali. Falta o que? esse olhar de acolhimento de si, pois só podemos nos tornar melhor, quando aprendemos lutar com nós mesmos. Tanto que vale a máxima: ‘ luta melhor aquele que se conhece ‘. A gente acaba lendo essas coisas por aí, e no fundo é preciso ter coragem para admitir isso, porque é verdadeiro. Só é possível melhorar enquanto pessoas, quando se mergulhar no íntimo dos nossos pensamentos/sentimentos.

O bom lutador é aquele que já conseguiu superar todas as derrotas”

Que olhou para todas elas e, percebeu nas suas fragilidades o motivo de ter se tornado um campeão ( Marii). Que olhou para a sua história e aprendeu a ter muito respeito por ela.

Que superou as dificuldades que lhes foram imposta.

Imagem pública

Texto: Marii Freire Pereira

‘ VEM comigo!’

Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada

Lá sou amigo do rei

Lá tenho a mulher que eu quero

Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada

Aqui eu não sou feliz

Lá a existência é uma aventura

De tal modo inconsequente

Que Joana a Louça de Espada

Rainha e falsa demente

Vem a ser contraparente

Da nora que nunca tive

E como farei ginástica

Andarei de biblioteca

Montarei em burro brabo

Subirei no pau de sebo

Tomarei banhos de mar!

É quando estiver cansado

Deito na beira do rio

Mando chamar a mãe- d’água

Pra me contar as histórias

Que no tempo de eu menino

Rosa vinha me contar

Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo

É outra civilização

Tem um processo seguro

De impedir a concepção

Tem telefone automático

Tem alcaloide à vontade

Tem prostitutas bonitas.

Manuel Bandeira

Marii Freire Pereira

Manuel Bandeira e o Modernismo

Vamos falar de coisa boa? Falar de Manuel Bandeira e a sua contribuição a literatura do final do século XIX!?

Bem, as contribuições de Bandeira foram decisivas a solidificação da poesia modernista, com destaque a língua coloquial e toda a sua irreverência criadora. O trabalho de Bandeira também proporciona uma reflexão filosófica a respeito da condição humana. Muito bom, inclusive, me faz lembrar até mesmo de Machado de Assis que explorou de maneira significativa essa questão. Mas, vamos adiante. Como a poesia passava por uma renovação, o trabalho de Manuel foi uma inovação ao Modernismo, uma vez que teve maior liberdade no sentido de criar. Mas criar no sentido de conseguir avançar, de maneira concreta. Ele fez parte do período anterior, ou seja , primeiro fase do Modernismo e chega até a segunda fase um pouco mais inovador, porque quebrava essa característica severa, trazendo exatamente o oposto, ou seja, a leveza não observada em relação ao trabalho de outros autores, outros colegas do período onde começa o Modernismo. Aqui, nessa nova fase, ele tem uma postura mais despojada, tanto que recebe o reconhecimento como um ‘ dos ‘ escritores mais importantes da [primeira fase do movimento Modernista], porém com esse diferencial de saber conciliar a crítica social com uma reflexão mais aberta, diria que , mais dinâmica, uma vez que ultrapassa a experiência da primeira fase ganha um significado maior exatamente aqui, ao explorar de forma muito mais elaborada outros temas que envolve cultura popular, romantismo, etc. Coisas diferentes que não se destacaram num primeiro momento, como ja foi mencionado. Por exemplo, a ‘ solidão ‘, lá atrás, era trabalhada como uma espécie de ‘ saida’ para problemas da existência. Aqui nesse período, a proposta de Manuel vem cheia com outra cara, vem com paixão pela vida.

Quando se ouve falar de Bandeira, o que vem a mente? Pasárgada!…

Todavia, Pasárgada é um espaço imaginário, criado por fantasias que teve origem, ainda em sua infância. Mas, não para por aí, não. Na verdade existem uma série de contribuição desse autor maravilhoso. Vale a pena conferir.

Imagem: http://www.escritas.org

Comentário: Marii Freire Pereira

Há momentos na vida em que precisamos só de nós

Há momentos na vida em que precisamos só de nós. Por mais que se tenha amigos, parentes, amor. É bom ficar a sós consigo mesmo. É quando você chega diante do espelho e observa aquela imagem refletida e passa a conversa com a pessoa jovem em que você foi um dia.

Não se trata de exigência, é uma conversa normal, mas importante porque permite fazer com você consiga se reconhecer diante das inúmeras circunstâncias que pedem um pouco mais, não só da vida, mas de nós, e que devido estamos tão ocupados cuidando de outras pessoas ( dos seus problemas), que chega ao ponto de haver uma certa negligência com a gente mesmo. Então, quando não se cuida, se esquece, nao é? E o tempo so passa, caladinho, no compasso dele. Por isso, que é importante termos momentos assim, é quando tem-se a oportunidade de encostar a mão na mão, conversar, reconhecer a própria imagem diante do espelho.

A imagem refletida é a mesma de dez, vinte anos atrás? E dentro, no íntimo como tem estado? Triste, contente? É isso que é importante saber, porque só oferecemos aos outros aquilo que oferecemos a nós. Se estamos bem, tratakos as pessoas de um jeito alegre, respeitoso. Mas, se por ventira, andamos triste, tudo fica msis complicado. Não sei, de repente você tem alguns anos a mais de cansaço, mas não falo do cansaço do corpo, mas da alma. Há pessoas tão esgotadas, fisicamente/ mentalmente falando, que andam curvas, quase inclinando-se aos pés, é como se não tivessem mais a capacidade ou ainda, tempo para sonhar (…)

É como se tivesse desistido de viver…’

Por conta dos problemas. Em situações assim, a fadiga é tanta que chega ao ponto de nem mesmo, o amigo ser capaz de ajudar ( através de conversa), fazendo com que a pessoa vole a acreditar em si novamente. E olha que o amigo serve para isso, para fazer crescer. Veja bem, quando se é amigo, porque bajuladores, ninguém merece. Esses só nos fazem decrescer. O amigo, não. Ele chega com a palavra dura no momento certo fazendo você acredita novamente.

A palavra maldita só tem efeito no momento oportuno, porque nessa situação, ela transforma em algo bom, positivo”

Quando começamos a desmoronar,é bom reconhecer que precisamos tirar um tempo para ficar a sós, porque esse tempo é precioso. É só através desse ‘negociar’ com consigo, que se volta a olhar a vida com suavidade.

Se olhe, se goste, respeite as respostas que por ventura surgirem fora de um contexto que fugiu um pouco a sua realidade.

Queira perdoar-se, acolhendo todas as experiências nessa longa estrada chamada Vida.

Imagem: Paróquiasãoluis- faro. org (Algarve)

Texto: Marii Freire

O valor é imprescindível

O que acho bonito no outro é a maneira de como ele nos cativa. As vezes, não precisa de muito, um pequeno gesto talvez já é o suficiente para nos sentirmos atraídos. É claro que no primeiro momento, acabamos sendo favorecidos por tudo aquilo que vemos, ou seja aparência. Mas, tem pessoas que por mais lindas que sejam, se faltar aquele detalhe especial que a diferença das outras, perde o significado, o sentido propriamente dito. É como diz o Nelson Rodrigues:

Depois dos primeiros 15 minutos, é necessário ter algo que se destaque…”

Todavia, não estou dizendo que a belezas não é importante. É, pode ser interpretada assim, digo dessa maneira. Porém, é uma coisa artificial. E filosoficamente, se faltar algo que a destaque, torna-se metódica. Por isso, aquilo que nos chama a atenção é a belezas interior, a áurea é aquilo que fica escondido nos recônditos da alma e funciona como ” olhos”, porque tudo consegue ser capturado.

Para se ter uma idéia, você consegue lembrar de uma pessoa pelo sorriso, a maneira linda como ela sorria desnuda até a alma de quem recebe. O jeito de movimentar as mãos, o bom humor, o abraço, a maneira pela qual somos tratados, a consciência crítica, etc. Tudo são características próprias de uma pessoa. A maneira como somos abordados, o jeito como mexe no cabelo, o andar e tantas outras características que poderiam ser citadas aqui. Sem dúvida, tudo isso é muito bom. E conformeabsorvido, conforme a necessidade psíquica ela vai sendo preenchida lentamente por esses pequenos detalhes. É algo que funciona como uma espécie de perfume da alma, exala …a ponte de nos conquistar (…)

Ao longo de nossas vidas, encontramos pessoas que se tornam especiais por conta de atitudes que se destacam, inclusive tornando a conversa mais prazerosa. É sempre muito bom lembrar de pessoas com um certo carinho, porque quando elas acabam indo embora, na memória permanece os traços que elas deixaram e isso, acaba fazendo com que possamos sentir saudades.

Há casos, onde passa-se um longo tempo, sem ter contato com algo que se tornou-se especial, seja amiho, psrente, amor e mesmo assim, essas pessoas permanecem vivas, [aguardadas], em nossas lembranças (…)

É tão gostoso promover uma conversa com quem você gosta que as vezes, se convidar para um café, depois, tem a probabilidade de virar um amor, e quem sabe uma companhia para uma vida toda.

Imagem: Marii Freire

Texto: Marii Freire

O Teu Riso

Tira-me o pão, se quiseres,

tira-me o ar, mas não me tires o eu riso.

(…)

ri, porque o teu riso será para as minhas mãos

como uma espada fresca

(…)

mas, quando abro

os olhos e fecho,

quando os meus passos se forem

quando os meus passos voltarem,

seca-me o pão, o ar, a luz, a primeira,

Mas o teu riso nunca

porque sem ele morreria.

Imagem pública : Neruda

https:/www.pensador.com.br

Marii Freire Pereira

Não espere nada de ninguém

Não espere nada de ninguém para ser feliz. Não espere abraço, não espere reconhecimento, não espere Amor.

A vida é uma brevidade. Ela tem inúmeras contradições, mas todas anterior a nossa história, pode ser situações de repente, ligadas ao amor, questões sociais, inspirações, ou seja, uma infinidade de ditames. Porém, nada torna a vida tão leve, com o perdão da palavra: Gostosa, quanto libertar- nos da dependência de outras pessoas, por exemplo.

Ter uma atitude contínua, perceptiva ajuda bastante a fazer escolhas favoráveis à nós mesmos. Agora, o que não podemos fazer é ser carrascos de nós mesmos por conta de atitudes mesquinhas das outras pessoas.

O ser humano tem essa coisa de esperar ser visto, ser recompensado pelo outro de alguma forma. Até para ser feliz, ele espera pela atitude de alguém que o ame, que pegue que olhe nos seus olhos, demonstre alguma forma de carinho.

Não é um erro esperar por retribuição…”

Todavia, conseguir ser feliz independente dessas coisas , é maravilhoso. Isso, significa que já se atingiu um certo grau de maturidade, e tendo ou não a atenção de que se espera, se consegue ser feliz.

Felicidades é uma escolha pessoal e independe de limitações. Posso ser feliz a minha maneira, ponto. Portanto, felicidade não tem ligação com excessos. É claro que amor na dose certa é bom, porque até amor demais sufoca. Na verdade, a falta nos causa danos, bem como, ele em excesso.

“O verdadeiro amor é um calafrio doce” como disse Guimarães Rosa. Então, vamos sentir esse calafrio na alma? Como? Nos amando mais, e esperando menos. Longe de ser uma quimera, é uma realidade.

Imagem pública

Texto: Marii Freire

Esteja em paz consigo mesmo

A paz interior é desenvolvida na solidão. É somente através dela que se alcança as respostas necessarias para os nossos diálogos inteirores, nossas dúvidas, nossas incertezas. Até Deus precisou ficar um tempo sozinho […]

É no pensar, no ato de refletir ( interiorização), que se encontra as respostas necessária aos nossos conflitos. Só quando se faz esse diálogo inteiror, é que somos capazes de superar aquilo que compromete a saúde psíquica .

Se passamos por situações angustiantes, perdemos o controle, a tranquilidade , etc. A saudade emocional acaba ficando fragilizada.

Bem, esse não é um processo fácil. As vezes a bagunça dentro de nós é tremenda a ponto de explodirmos, é quando se perde o controle da situação. Pessoas que sofrem de ansiedade sentem isso com muita frequência. E o que se percebe em relação ao comportamento dessas pessoas, é o fato delas cometerem nos primeiros trinta segundos, os piores erros da vida. As vezes, por pequenas bobagens deixam de se falar durante um longo período. Há casos, onde algumas morrem sem sequer dirigir a palavra umas outras. São os chamados hiper-sensíveis. O hiper-sensível, é aquela que entra numa situação de conflito e não sabe administrar a si próprio.

Quando uma pessoa é consciente e lúcida o suficiente, mesmo em situação de desconfortos interior, ela consegue perdoar. E perdoar não o outro, mas a si próprio. Já a que age por emoção, em tudo encontra motivo para o descontrole, é faísca que leva ao sofrimento.

Todos os dias, milhões de pessoas são acometidas por problemas relacionados conflitos interiores. Não conseguem se reciclar. Essas pessoas acabam se tornando reféns delas próprias.

É possível viver sem problemas? Não. Seria utópico pensar assim. Todavia, precisamos aprender a lidar com eles, nos tornando mais flexíveis, autossuficientes, estimulando sentimentos bons. É claro que alguns a gente consegue, outros só o tempo nos possibilita essa reconciliação conosco. Mas, eu posso ter a paz que preciso mesmo passando por problemas que exigem muito de mim. O primeiro passo é:

Não ficar dando a mesma volta ao redor de uma montanha estupida”.

Procure um tempo para ficar a sós consigo. O interessante é quando :

você chega ao topo da montanha “

Quando consegue ter a visão necessária de tudo que você imaginava, porém via com incerteza. A partir do momento em que você consegue escalar cada degrau para chegar lá em em cima, as dificuldades vão diminuindo, mas isso só se consegue com os diálogos interiores. É o ato de voltar para dentro de si, perdoar o que tem que ser perdoado, construir abrigos na alma (…)

Aprender que na vida ” tereis aflições “, não é assim que está escrito? Mais tudo passa quando nos dispomos ao novo.

Imagem: W.W.W Vendedorcozimax .com.br

Texto: Marii Freire