Mario de Andrade

“A cabeça desliza com doçura, E nas pálpebras entrevistadas Vaga uma complacência extraordinária. É pleno dia. O ar cheira passarinho. O lábio se dissolve em açúcares breves, O zumbido da mosca, embalança do sol. …Assurbanipal… A alma, à vontade, Se esgueira entre as bulhas gratuitas, Deixa a felicidade ronronar. Vamos, irmão pequeno, entre as palavrasContinuar lendo “Mario de Andrade”

Recomeçar

Aonde você parou, aonde deixou de acreditar na vida? Vamos, descubra novos motivos para conseguir adiante. Às vezes, a impressão que dá, é a de que tudo o que há de injusto só acontece conosco. Esse é um pensamento ingênuo. É como se nós, deixássemos de pensar e ficassemos ali, no raso de nossas incertezas.Continuar lendo “Recomeçar”