Os manequins

Os sonhos cobrem-se de pós. Um último esforço de concentração morre no meu peito de homem enforcado. Tenho no meu quarto manequins concundas onde me reproduzo e me contemplo em silêncio. João Cabral de Melo Neto.