Augusto dos Anjos

“Vês? Ninguém assistiu ao formidável

Enterro de tua última quimera.

Somente a Ingratidão – esta pantera

Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!

O Homem, que, nesta terra miserável,

Mora, entre feras, sente inevitável

Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!

O beijo, amigo, é a véspera do escarro.

A mão que afaga é a mesma que apedreja.”

Augusto dos Anjos. Versos íntimos ( Eu e os outros poemas.30 3d. Rio de Janeiro. Livraria São José, 1995.p.145)

Literatura Brasileira em diálogo com outras Literaturas e outras linguagens. William Roberto Cereja, Teresa Cochar Magalhães. 5 Ed. reform . São Paulo: Atual, 2013

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem: Literatura brasileira/ Rodrigo Rosa

Santarém, Pa 17 de novembro de 2021

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

3 comentários em “Augusto dos Anjos

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: