A indiferença é o cancro que corrói a virtude do ser humano

Pode uma pessoa achar que ela é melhor do que a outra? Veja, na natureza um animal forte mata um menor por questão de sobrevivência. Tá certo isso? Se você respeitar a cadeia alimentar, sim. Mas, também há uma regra que o animal maior já decidiu no seu interior. Qual é essa regra? A de que ele é melhor, portanto, merece viver.

Você não entendeu porque estou ilustrando esse exemplo. Mas, estou chamando atenção para um detalhe que é a natureza negativa do animal. Ele pode comer qualquer coisa; não precisa ser um animal especifico. Ele mata porque se sente o melhor, portanto merece viver, enquanto na sua forma de pensar, o outro não, entende? Acontece isso conosco? Sem duvida. Eu posso olhar pra você com uma certa ironia e dizer que me sinto melhor do que você por ter uma condição de vida que me deixa viver numa situação confortável.  Claro, isso é bastante comum. Você já conheceu pessoas que se sentem melhor do que as outras por ostentar uma bela conta bancária? Muitos, certamente. Esse é o tipo de gente que mais temos de conviver. Nem sempre essa é uma tarefa fácil de lidar, porque conviver com a face má das pessoas é algo extremamente desagradável.

A vida, a face humana, a mania de grandeza é uma coisa que comanda o destino de cada um. Uma pessoa por exemplo, que se sente importante, ela sempre irá demonstrar uma maneira de alargar as diferenças sociais. Em geral, pessoas assim, elas se vestem de um personagem de prepotência para jogar na lama aqueles que olham com um certo desprezo. Isso para se sentirem mais fortes, incríveis talvez. Infelizmente, é necessário dizer que neste caso, o homem vale os seu molde, porque pela raiz da indiferença faz valer a sua opinião. 

Numa sociedade como a nossa, que é marcada por decisões, um pessoa que nasce com o destino social traçado, seja pela origem, raça ou mesmo a pouca possibilidade de frequentar uma escola, certamente, vive em situação de desvantagem. Claro, com o passar dos anos, pode mudar. Intelectualmente, essa pessoa pode avançar através de esforços. Mas, ela sempre será olhada com indiferença por quem viveu num mundo de prestígio. Coisas como quem fez longas viagens, tomou champanhes cara, usufruiui de belas roupas e sapatos, assim como, uma série de coisas. Claro, tudo isso irá revelar a alta qualidade de vida de quem sempre teve o melhor. Diferente, da menina do mato, pobre, que nunca soube o que foi ter privilégio, e que mesmo estudando, e tendo uma capacidade intelectual boa, conversando, sabendo dirigir uma situação e tudo mais, nunca será vista como alguém de valor, porque na cabeça de quem estudou a alta literatura, ou nem isso, vai dizer que “eu sendo pobre” e tendo “cara de pobre” nunca poderei me comportar como uma pessoa rica, porque se assim fizer, estarei forçando uma situação. Já ouviu a clássica frase ” Não há nada mais pobre do que um pobre querendo agir como rico?”. Há, a maldade humana realmente não tem fim.

É possível compreender nesse segundo exemplo, a superioridade natural do ser humano? É como se você voltasse lá para o início do que escrevi, lembra? O animal mais forte, mata e come o mais fraco da cadeia alimentar, porque entende que ele merece viver, enquanto o outro, não. Neste caso, não por uma questão de sobrevivência, mas de posição. Eu por ser rico, e ter qualidades superiores a você, ou seja, ser “o melhor” e mais importante, digamos assim, e principalmente, ter a ascensão intelectual (que você pode até me alcançar, mas nunca chegar a meu nível) fará com que o meu olhar sobre você seja sempre superior. Só por isso, já existe a diferença e o desprezo. Péssimo lidar com pessoas assim.

O cancro da humanidade busca os seus interesses na indiferença. Eu sou o melhor, portanto, as minhas qualidades excedem as suas. As diferenças transformam e radicalizam aquilo que nos forem. É como se isso fosse uma atitude de força e de comando, ou seja, eu decido a vida sobre todos os contrastes. Inclusive, a sua. Se eu quero lhe tirar do meu caminho, simplesmente, tiro. E acredite, na maioria das vezes, sem muito esforço.

A dissimulação da maldade humana é muitas vezes, mascaradas por trás de atitudes que tentam camuflar interesses particulares revestidos de bondade. Há pessoas ricas que de fato, se preocupam com aquelas que são pobres. Mas, há também quem as iluda no primeiro momento para esconder os seus disfarces. Modestamente, essas pessoas ostentam uma imagem de boa gente, mas no interior são pura hipocrisia. Se tiverem que excluir através do cinismo, certamente, nada as impede. Como disse a indiferença é o cancro da sociedade. Se você notar, através da indiferença se mata muita coisa. Mata a se perder de vista […] muita coisa. Comportamentos assim, revela a natureza de cada um, inclusive o meu e o seu. A diferença reside no tratar. É o que tu faz, eu o que faço que nos define.

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem: pinterest/VALE DE OSSOS SECOS: O VERDADEIRO SIGNIFICADO DA VISÃO DE EZEQUIEL

Santarém, Pa 8 de outubro de 2021

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

2 comentários em “A indiferença é o cancro que corrói a virtude do ser humano

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: