Sinal vermelho contra a violência doméstica

A violência contra a mulher é um problema secular, difícil de ser provada, porque é uma violência que em geral não têm testemunhas. A violência doméstica principalmente, é uma violência que ocorre intra-muros, ou seja, dentro lar. Então, pode -se dizer que esse tipo de situação acaba sendo mais difícil ser comprovada.

Se costuma dizer que entre briga de marido e mulher, a gente mete a colher, sim. O que não é normal é aceitar a violência ou fingir que ela não existe. Todavia, como é um acontecimento difícil de ser comprovado, porque você não têm a liberdade de adentrar no lar das pessoas. Então, quem tem acesso a tudo isso, são os filhos. São eles que vêem as formas de abusos, os machucados da mãe, etc. geralmente, as únicas testemunhas.

É natural ocorrer situações, onde os familiares, ou amigos percebam sinais de violência. As vezes é um roxo disfarçado, um olhar de tristeza profunda, a agressividade também pode ser notória entre o casal. Mas, parte da mulher dizer aonde dói. O que se sabe é que, o lar seria esse lugar capaz de oferecer segurança. No entanto, é justamente ele que mostra o quanto estamos insegurança.

Bem, faz parte pensar que a construção de lar, vai ser o local de conforto. Nós mulheres, somos ensinadas a pensar dessa maneira. Mas, vamos combinar que essa idéia de construção de lar, de relacionamento perfeito, acaba se tornando uma construção, onde a gente sabe que os acordos são quebrados. Isso quando tem acordo. As vezes, é natural que só um ” tenha vez e voz” na relação. Neste caso, ocorre um desequilíbrio, porque o homem vai querer ditar as regras de modo, que essa mulher vai ser trata sempre como o ser inferior.

A violência se instala em todos os lugares. Ela não escolhe classe social. Um detalhe importante em relação a violência é que não se descobre ela tarde. Geralmente, o homem já mostra nas primeiras discussões, através dos argumentos, a forma de como aquela mulher será tratada.

O bom ficar atenta, pois haverá palavras colocadas de um jeito que cause ofensa, ou seja, machuque principalmente o psicológico dessa mulher. Coisas como, algo ríspido, que ofenda as qualidades, seja no sentido psicológico como mencionei, ou parta ali para o lado físico: Falo em bater mesmo. Tem homem que deforma o rosto da companheira. Isso é perigoso, porque para matá-la falta pouco.

A mulher por sua vez, quase sempre vai levando na brincadeira, porque entende que aquele homem que ela ama, não iria machucá-la. Mas, como vimos, machuca! E não é nenhuma, nem duas vezes não. Só que a maioria, leva como as nossas mães levaram, ou seja, nos dizendo ” calma, é um momento de raiva”. Você responde: é. Não é. Não é normal se acostumar com a dor. A mulher que faz isso, ela se anula diante dos filhos e da família.

Todas, eu disse ” todas” independente da idade, da cor, sofrem violência. Vale ter isso na mente, observe bem como o seu namorado, te trata, porque no casamento os problemas se tornam maiores. A postura de um homem diz muito sobre quem ele é, digo ” como costuma agir”.

Se no namoro, o homem costuma agredir, no casamento, ele bate, e dependendo da oportunidade, mata. Portanto, se preocupe com a qualidade da sua relação, imagine como ela poderia ser dentro de cinco há dez anos. Acredito que esses são questionamentos necessários para você conseguir de antemão, enxergar os erros digo ” antes ” que estes, venham acontecer.

Quando digo que a violência atinge todas as classes, estou afirmando que ela acontece com as mulheres ricas, lindas, com as menos lindas. As negras, as mulheres do campo, médicas, advogadas, a empresária de sucesso – todas- independentemente do status. Qualquer mulher pode ser vítima da violência.

Agora, não é preciso se acostumar com a violência. Em toda relação é preciso haver limites. Se você observar que não há respeito, respeite-se. Saia enquanto é tempo. Enquanto tem vida!..

Se por acaso, vier sentir-se pressionada, se for humilhada, se apanhar …tenha coragem para sair o quanto antes. Não romantize dor com amor. Embora haja rima no fim dessas palavras. Entenda que amor não dói. E se doer é porque tem algo de errado. Diga ‘não’ a violência. O seu não é não, e ponto.

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem: Pinterest.

Santarém, Pá 14 de março de 2021

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

6 comentários em “Sinal vermelho contra a violência doméstica

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: