Fagundes Varela

[…]

Mas não! tu formas no infinito seio

Do Criador dos seres! Tu me falado

Na voz dos ventos, no chorar das aves,

Talvez das ondas no respiro flénil!

Tu me contemplado lá fora céu, quem sabe?

No vulto solitário de uma estrela.

E são teus raios que meu astro aquecem!

Pois bem! Mostra-se as voltas do caminho!

Brilha e fulgurante no azulado manto,

Mas não te arrojes, lágrimas da noite,

Nas ondas nebulosas do ocidente!

Brilha e fulgura! Quando a morte fria

Sobre mim sacudir o pó das asas,

Escada de Jacó serão teus rios

Por onde asinhas subirá minh’alma.

( In: Antonio Candido e José A. Castello, op. cit, p. 53- 8)

Literatura brasileira. William Cereja e Thereza Cochar. 5 ed reform. Atual. São Paulo, 2013

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem: Imagens.com/ Cobris/ Latinstock ( arquivo pessoal

Santarém, Pá 8 de novembro de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharel em direito, cursando Pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal.

2 comentários em “Fagundes Varela

  1. Fagundes Varela foi um dos responsáveis por eu gostar de ler, lembro que peguei uma coleção do estadão láaaa em 94,95 , uma coletânea com poetas e os textos dele me chamaram atenção. Muito fortes e marcantes, os poemas Armas e Canção lógica, foram dois deles.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: