Castro Alves

Meu Filho, dorme, dorme o sono eterno

No berço imenso, que se chama _ o céu.

Pede às estrelas um olhar materno,

Um seio quente, como o seio meu.

Ai! borboleta, na gentil crisálida,

As asas de ouro vais além abrir.

Ai! rosa branco no matiz tão pálida,

Longe, tão longe vais de mim flor.

Meu Filho, dorme…Como ruge o norte

Nas folhas secas do sombrio chão!…

Folha dest’alma como dar-te à sorte?

É tredo, horrível o feral tufão!

Não me maldigas…Num amor sem termo

Bebi a força de matar-te…a mim…

Viva eu cativar a solução num ermo…

Filho, sê livre…

_ Ave _ te espera da lufada o açoite,

_ Estrela _ guia- te uma luz falaz.

_ Aurora minha_ só te guarda a noite,

_ Pobre inocente _ já maldito estás.

Perdão, meu filho …se matar-te é crime…

Deus me perdoa…me perdoa já.

A fera enchente quebraria o vime…

Vem- te os anjos e te cuida cuidem lá…

Meu filho dorme…dorme o sono eterno

No berço imenso, que se chama céu.

Pede às estrelas um olhar materno,

Um seio quente, como o seio meu.

Castro Alves. O navio negreiro e outros poemas. São Paulo: Saraiva, 2007

Literatura brasileira: William Cereja e Thereza Cochar, 2013

Marii Freire Pereira

VEM comigo!

Santarém, Pá 8 de maio de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharel em direito, cursando Pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: