Quando o amor é uma condição

O amor é uma coisa maravilhosa. Quando se ama uma pessoa de verdade, se costuma pesar as nossas atitudes antes de fazer qualquer coisa. Claro, o amor é um sentimento de entrega, de doação mesmo. Quem ama compreende que o amor é uma completude. E a condição principal para ele existir é “doar-se”, ou seja, Eu me entrego, a medida que recebo o sentimento que é dado ao outro. A primeira razão da existência humana, é dada pelo o amor. Ele é quem nos humaniza.

O amor nos reveste dessa coisa boa que conseguimos expressar com tamanha autenticidade. Na prática, o amor é algo que nasce de dentro para fora, é a exteriorização do ser humano de maneira espontânea e genuína.

Os relacionamentos amorosos estão cheios dessa espontaneidade. Basta observar um casal apaixonado para compreender o significado de doação. A troca é mútua, quanto mais amor se tem, mais se deseja.

No primeiro momento é até comum se notar um certo exagero entre os parceiros. Claro, estão vivendo aquilo que se chama “deleite” do amor. Sinal de que há equilíbrio na relação. E quando nota-se por exemplo, que o amor é uma condição? Quando para amar alguém é preciso que Eu deixe de ser quem sou para agradar o parceiro? Aí é um problema! O amor não é exigência. Embora, deva se falar em determinadas situações que tem que haver um compartilhamento de idéias rntre duas pessoas para que haja a saúde da relação.

O amor torna-se uma condição para outro, a partir do momento em que deixo de ser eu, e passo a fazer tudo o que a outra pessoa manda, ou seja, não tem mais vida própria. As exigências são tantas que virá uma relacionamento abusivo. Você não Pode fazer isso ou aquilo, não usa essa roupa e uma série de limitações. A pessoa começa se desfazer tanto da própria que vira um pé de couve, arranca tanto o que lhe própria que fica só um talo. É normal isso? Não é. Quando a situação chega a esse ponto, é bom ficar atento (a). Alguma coisa está errada.

Amar não é criar condições para que alguém se enquadre ao seu padrão de comportamento. O amor quando criando nessas condições, ele sufoca. Claro, liberdade é preciso também dentro de um relacionamento, porque do contrário, caminha rumo a separação

[…]

É sempre bom ficar atento para detalhes que se percebe que não é uma coisa saudável no amor. Portanto, se compreender que a sua relação vive tal realidade, é hora de pensar, porque não é interessante viver oprimido numa relação.

Se precisar sair de um relacionamento que machuca, que fere os seus direitos, tenha coragem. Confie mais em você. Nós devemos amar e sermos amados. O amor é bom, mas quando há o reconhecimento de que para ser verdadeiro, não precisa impor. Mas compartilhar sentimentos.

Ame-se. Só somos capaz de amar alguém, quando nós amamos em primeiro lugar.

Marii Freire Pereira

Imagem pública

Santarém, Pá 19 de março de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharel em direito, cursando Pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: