Depressão

” Eu já tive vontade de ir até o outro lado da rua, mas não tive coragem de atravessar o portão. “

Marii Freire Pereira

Segundo a Organização Mundial de Saúde ( OMS) o Brasil é o segundo país das Américas com maior número de pessoas depressivas. Cerca de 5,8 % da população sofre de depressão, perdendo somente para os Estados Unidos, onde o índice equivalente é de 5,9%. Além disso, estamos a beira de um princípio chamado ansiedade, que é muito mais comprometedora a saúde do que a própria depressão.

Ao longo dos anos, a vida vem se tornando muito mais estressante, principalmente, por conta da correria, das muitas exigências do mercado, da vida cotidiana, onde as pessoas assumem um número maior de responsabilidades, e tudo isso tem multiplicado as tensões emocionais. A gente tem uma rotina muito acelerada onde nos faz ter que lidar todos os dias com questões diversas, seja em relação a relacionamentos, trabalho, criaçãodos filhos. Então, tudo isso causa um grande desgaste em relação a saúde mental.

Segundo a psiquiatra da Samp Jovino da Silva Alves Araújo, há uma necessidade de se romper os preconceitos quando se trata de saúde mental. Há um pensamento hostil quando se fala de algo tão sério que é a depressão. Em geral, as pessoas costumam ” desdenhar” de quem passa pelo o problema. “Eu Marii, tive depressão pós parto, após o nascimento da minha segunda filha. É um momento de muito embaraço, é uma mistura de tristeza profunda com um medo indescritível. Você despreza a sua filha, sente culpa, não consegue lidar com aquela situação. Foi uma época difícil. Eu perdi 10 quilos numa semana. Às vezes, eu tinha vontade de abrir o portão e olhar o movimento da rua, mas recuava, eu tinha um medo tão grande que não conseguia reagir, nem passar pelo portão da minha casa. Tive que procurar ajuda profissional, tive apoio da família e até hoje, lembro que depois de muito medo, eu encontrei forças para enfrentar os meus monstros na faculdade. Era extremamente complicado falar diante das pessoas ( falar ao público) muitas vezes, haviam colegas que até saiam da sala por mim achar péssima quando tinha que expor um trabalho de aula. Sofri duras críticas […] Tem gente que trata depressão como frescura, sem compreender o que acontece na cabeça de quem passa por esse problema.”

Marii Freire Pereira

“Depressão não é um problema simples. E, digo mais, há uma ignorância de quem nunca teve que lidar com a situação” A depressão pós parto, ela tem muitos fatores, dentre eles, fatores emocionais, fatores físicos, o próprio estilo de vida, assim como, uma série de situações que corroboram para esse problema.

Há quem diga que a depressão é o mal do século. Mas, especialistas afirmam que existe algo pior, e que isso sim, é considerado ” o mal do século ” que é a ansiedade.

A ansiedade ela advém de várias preocupações, coisas como preocupações neuróticas, excesso de pensamentos tortuosos. Sabe aquelas pessoas que dizem ” Ah, o que os outros vão pensar de mim?”. Outra situação dar-se em relação ao amor. Quando uma pessoas é extremamente apaixonada pela outra, e sente que não é correspondido ( a) e vem o sentimento de desprezo e tudo mais, ela desenvolve uma certa compulsão que é deixar de viver para ” respirar” por aquela pessoa. Isso provoca ansiedade. Ou pessoas que não têm autocontrole emocional. Geralmente, aquelas pessoas que costumam dizer: ” Eu não levo desaforo para casa”. Pois bem, leva! Leva um mal que mata aos poucos, e que as vezes a pessoas não percebem que é um sentimento ruim, destrutivo que é o ódio.

A OMS sempre divulga números alarmantes acerca da depressão. Mas, a realidade é há um número muito maior de pessoas com esse problema do que aquele que vira estatística, o que motivo de preocupação. Aqui, torno a dizer ” depressão não é frescura “. Ao contrário, gera angústia, perda de interesse por coisas simples, recusa de estar com outras pessoas e tudo mais. Ah, existe uma coisa que vou chamar atenção de todos ” os transtornos psiquiátricos podem acontecer em qualquer idade. A gente não costuma valorizar os comportamentos de nossos filhos, mas criança quieta demais pode ter depressão. Por isso pai, por isso, mãe, observe se o seu filho não vive muito isolado, “calado no mundo dele”. Depressão chega em qualquer idade. É bom ficar atento para qualquer sinal.

Não é hora de julgar.

Não é hora de julgar, é momento de ajudar. Como? Observe o comportamento das pessoas a sua volta. Às vezes, você tem um amigo que você sabe que tem depressão. Então, quando possível, procure se fazer presente na vida dele. Converse, pergunte o que sente. O apoio é muito importante para essa pessoa.

Viu alguém com ansiedade, tente compreender o que se passa naquele momento. Ofereça o ombro, uma palavra amiga.

A ansiedade é um problema seríssimo. Pessoas que têm crises de ansiedade, podem desenvolver depressão no futuro. Então, esteja atento aos sinais que é possível ser notados a qualquer momento.

De acordo com o site g1.globo.com, problemas relacionados a depressão e ansiedade tiveram um impacto significativo em relação aos problemas mentais, eles cresceram cerca de 25% no mundo em decorrência da pandemia de covid-19. As mulheres foram mais afetadas que os homens. A depressão pode levar ao suicídio. A cada ano 800 mil pessoas morrem por conta da depressão.

Quando não se sabe responder corretamente as nossas feridas emocionais, é natural que se adoeca. O sofrimento que passa uma pessoa com depressão é muito grande, e o prejuízo não é só pessoal, mas global, porque as perdas, acabam sendo muito significativas.

“Feridas emocionais não deixam cicatrizes por fora, mas por dentro. Essas feridas só são possíveis sarar quando tratadas corretamente.”

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!Fontes

Imagem: pinterest/ Wattpad

https://g1.globo.com

https://www.paho.org.

https://www.gov.br

http://www.2.samp.com.br

Santarém, Pa 17 de outubro de 2021

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

14 comentários em “Depressão

    1. A depressão é um problema muito sério. Eu falo até com uma certa propriedade porque vivi isso. Na verdade, se você levar em consideração o número de mortes de pessoas todos anos, é um problema que deveria ter uma visibilidade maior.

      Curtido por 1 pessoa

    1. É preciso ter coragem. Se a mulher não tivesse coragem, nem vivia. Como não sou diferente das outras, vou em frente. Isso foi há 10 anos atrás. E como esse é um tema ( Depressão) é importante, a melhor maneira de você ajudar as outras pessoas é contando as suas experiências.
      Obrigada!🙏🙏👏👏👏

      Curtido por 1 pessoa

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: