É impossível medir a profundidade do oceano colocando somente a pontas dos dedos na margem

“Não censure a vida. Antes, permita-se melhorar com os problemas.”

Marii Freire Pereira

Às vezes rompemos tantos protocolos nessa corrida louca da vida para sentirmos um pouquinho de felicidade, mas, felicidade com ” F” maiusculo, algo profundo, abissal, não é molhar os pés e achar que foi capaz de ter lavado a alma. Não, falo daquilo que transcende o combustível da vida – o amor.

Qualquer pessoa pode conseguir. (…) Muitos julgam difícil, porém, tudo é uma questão de esforço. Na verdade, ele é o que consome, grande parte da energia do que fazemos. Há quem queira conquistar lugares, fama, posição, ter reconhecimento, amor, disciplina, mas bate em retirada porque acostumou-se com os rasos da vida.

” Ninguém toca o fundo do oceano molhando as pontas dos pés “.

É importante adentrar, saber que aquilo que toca, já se manifestou internamente, e o que quer que seja, que encontre pela frente, é consequência do que une as pessoas à elas mesmas, ou seja, os seus desejos. Diante de qualquer situação da vida, só há dois resultados: a marca dos nossos vestígios ou o nosso olhar de diferença que deixamos por onde passamos. Sabedoria é realização, é tocar o profundo. Mas, o profundo pode nos afogar. Não, um gole d’água também nos afoga. Parece simples, mas é um detalhe que não podemos conter. Podemos sorrir, se achar necessário. Rude é contestar o instante sem pensar que coisas simples também pedem atenção. Sim, algumas podem aborrecer, mas são necessário para projetar um sorriso mais adiante.

Um sorriso pode representar o reflexo de satisfação da alma. O que estou dizendo tem uma relação com a serenidade, com o que é precioso, íntimo. Os olhos podem inundar diante das lágrimas, diante de um homem, diante da vida, dos planos que não saíram como você planejou. Mas, eles também podem ficar brilhosos diante da esperança, ou seja, do que a vida ainda não concluiu.

A vida quer o que tem valor único, o que transforma ruínas em lares habitáveis. Pode até parecer, mas ela não quer vozes remotas, gente rasa, caminhos que não foram percorridos, antes com a consciência. A vida quer um resultado, por isso é que se diz que ela também é feita de procuras. As angústias, assim como, as lamentações, tem importância diante dos fatos, mas não do que contribui para o seu prosseguir. O que faz ela parecer grande é o entusiasmo. É ele que faz com que lutemos por um bucado novo a cada dia.

Vão, vão…se vão! Às vezes a vida é como a onda do mar ” vai e volta” lentamente. Eu sei, a sua vontade é mergulhar, mas existem limitações que te empedem. Bem, nesse caso, eu admiro os seus gestos, não medo ou desculpas. A vida responde com a mesma intensidade com que nos lançamos nas suas particularidades. Não olhemos em que lugares ficam fragmentos de nós. Busquemos somente o que é acessível dentro daquilo que nos tornarmos.

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem ( Arquivo pessoal)

Santarém, Pá 17 de setembro de 2021

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

6 comentários em “É impossível medir a profundidade do oceano colocando somente a pontas dos dedos na margem

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: