Prelúdio

Que delícia

Passeio novamente sob a linha do horizonte

Não deixo marcas

Atravesso às escuras

O infinito de meus pensamentos

sigo em frente sem alardes

O resto do dia já envelhecido

Grisalho talvez!

É um dia como todos outros.

Ando rumo ao infinito de mim mesma

Apresso o pensamento

Que anda em desordem

Mas na maior parte do tempo

Composto de silêncio.

O meu silêncio é uma espécie de refúgio

quero a calmaria

Onde possa levitar

Sentir a brisa

Sem atropelos

Enfim -.poder silenciar o barulho do mundo entre o assobio do vento e o nada.

Quem sou?

Eu sou a liberdade

Que se senta diante de um piano

Olha para o retrato de Beethoven

E com os olhos cansados

interroga Mozart.

Quem sou eu?

Não sou nada além do que

Uma composição inédita e serena

Erudita talvez!..

Que dorme acalentando as feridas que trago no peito.

Marii Freire Pereira. Prelúdio

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem: pinterest. Fine Art America

Santarém, Pá 14 de 2021

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

3 comentários em “Prelúdio

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: