Composição poética

Não obedeço

Não devo obedecer

Os desejos de uma alma insana.

Mas como me corrói a fluidez de certos adjetivos

Medito sobre a minha construção ” decadente “

Sou co-autora de meus versos.

Neles a delicadeza se mostra

Pelo avesso .

Sutis soluços

Se juntam as notas vivas

De minha desesperança.

Esperanças tardias

Não alcança o agito fatigado de meus devaneios

Há uma convulsão tristonha aqui dentro do peito

Uma crítica

Uma fala não dita

Uma voz não sussurrada.

Entre sons

Musicais

entre cordas que gemem

Carrego em silêncio um segredo,

Um sopro remoto

do que ainda sou eu,

Uma canção inacabada.

As cordas dos violões choram

A tensão íntima e interior do ” eu”

soluça sem pudor…

Vaga e triste é a beleza da poesia

Que nutri uma constelação de fantasias

E nos deixa horas inertes

Na dissecacão da alma.

Respiro fundo…

Faço pausa na natureza dos meus estragos

Percorro os meus escombros

Fatigada da beleza que encontro

Na no véu da solidão.

Marii Freire Pereira

https://Pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem: Famiglia Mancini/ Facebook

Santarém, Pá 17 de Julho de 2021

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

8 comentários em “Composição poética

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: