Carlos Drummond de Andrade

[…]

A moldura deste retrato

em vão prende suas personagens,

Estão ali voluntariamente,

saberiam -se preciso- voar

Poderiam sutilizar-se

no claro- escuro salão,

ir morar no fundo dos móveis

ou no bolso de velhos coletes.

A casa tem muitas gavetas

e papéis, escaladas compridas.

Quem sabe a malícia das coisas,

quando a matéria se aborrece?

O retrato não me responde,

ele me fita e se contempla

nos meus olhos empoeirados.

E no cristal se multiplicam

os parentes mortos e vivos.

Já não distingo os que se foram

dos que restaram. Percebo apenas

a estranha idéia de família

viajando através da carne.

Carlos Drummond de Andrade. Retrato de família. A Rosa Do Povo. Círculo do Livro. São Paulo, 1945

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem: Kdfrases.com

Santarém, Pá 6 de Maio de 2021

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

Um comentário em “Carlos Drummond de Andrade

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: