Violência Psicológica

Violência Psicológica- é qualquer conduta que cause dano emocional e diminuição da da autoestima; prejudique e perturbe o pleno desenvolvimento da mulher; ou vise degradar ou controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões.

institutomariadapenha.org.br

A Violência Psicológica é uma violência que não deixa marcas no exterior como a violência física, por exemplo. Mais é tão danosa ou pior do que esta. A mulher que enfrenta a dor que afeta o íntimo ( psicológico), ela deixa de sentir amor por si mesma. E por que isso acontece? Porque ela vive uma confusão mental, devido o combustível que o homem coloca na relação afetar diretamente a sua percepção quanto a realidade. Não é que a mulher perca a razão. Ela perde sim, é a capacidade de distinguir o que real do duvidoso, devido a uma perda terrível de sua “pertença”, e aquilo que é concreto, ou seja, a realidade.

A mulher que convive com esse tipo de violência, ela enfrenta o medo. Quando faz algo por exemplo, ela sempre fica perguntando a si mesma se aquilo é certo, se o marido, o namorado, ou companheiro não vai ” discordar” do resultado de sua conduta. Coisas como, se esse homem não vai agir grosseiramente, se ele não vai ofender, contestar a opinião dela, dentre outros. Basicamente, a pessoa que vive esse tipo de situação, ela fica presa ao que o outro vai dizer, é como se a mulher, já de antemão, soubesse que aquele homem vá culpabilizá-la pelos seus atos, de modo a limitar as suas ações. Praticamente, é uma ” via-crucis ” esse tipo de relação, a mulher é o ser crucificado.

A mulher que sofre violência psicológica, ela não assume nenhum lugar de privilégios na relação, o papel de decidir algo é sempre do homem. Ela não tem uma posição definida dentro daquele contexto que envolve a vida do casal, pelo contrário, é sempre o sujeito passivo da relação, onde a sua vontade não prevalece.

Isso explica porque exista tantos problemas dentro de uma relação. É comum por exemplo, só o homem querer ditar as regras. A gente sabe que é importante haver diálogo, na verdade é necessário existir ” acordos” que seja bom para os dois. Mas, nesse tipo de relação não. Os problemas, os fracasso, muitas vezes do próprio parceiro, eles acabam recaindo sobre ela, porque na hora de um momento de tensão, ele acaba atribuindo tudo aquilo a parceria, a esposa, como uma forma de diminuir a capacidade dessa mulher. O homem para se fortalecer, ele acaba ferindo a mãe dos filhos dele com palavras duras. Isso é comum, tanto que é a maior queixa das mulheres. É a falta de sensibilidade do parceiro. Na verdade, ele oprime essa mulher, deixando a mesma, numa posição de descrédito, de total falta de importância dentro da relação; como se diz “alargando ainda mais” dessa maneira o seu sofrimento. De inútil à comparações chulas, essa é a dinâmica ultizada pelo homem para diminuir o valor da mulher dentro da relação.

O comportamento agressivo é uma constante dentro desse modelo de relação. Se o homem perde a postura, ele sempre busca mal- entendidos que durem dias, às vezes meses para culpar a mulher por aquela situação. Essa mulher por outro lado, ela passa a viver no silêncio, porque tudo é um motivo de alerta. Então é comum a mesma desenvolver problemas como depressão e ansiedade. No caso, são os mais comuns, porque ela não têm muitas vezes como recorrer, como pedir ajuda. A mulher que vive essa situação, quase 100% das vezes, ela se apega ao silêncio por não querer ir contra, e nem perder o homem que ama. Pena, pois muitas só despertam tarde. As brigas, a falta de comunicação dentro do ambiente familiar, ele destrói o psicológico da mulher.

A maior parte da violência psicológica ela começa pelo o que se diz. Se alguém está chateado e fala isso de uma maneira que machuca o outro, esse problema só vai crescendo até chegar o dia, onde se depara com um conflito que já não têm mais recursos ( meios) para resolver. Infelizmente.

” Amor não é amor, se doer. Amor não dói, não destrói, não se fortalecer no tumulto. Se provoca dor e sofrimento, se vem contra nós, não é amor.” Fique atenta ao que você cuida, e ao que chama de amor.

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem: Pinterest. Vivere Più Sani

Violência Psicológica definição: institutomariadapenha.org

Texto : Marii Freire Pereira

Santarém: Pá 27 de Abril de 2021

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

10 comentários em “Violência Psicológica

      1. Sem dúvida, mágica mistura! Você tocou numa tecla importante. Não se pode confundir ” zelo com controle”. Algumas mulheres acham ” bonitinho” isso. Tremendo de um perigo!…

        Curtir

    1. Filipa, a mulher sempre foi ensinada a tolerar tanta coisa calada, que muitas , ela ” acolheu” como algo que lhe é próprio “. Muitas acham, não só acham como trata com naturalidade certas humilhações , e não é para aceitar. Amor não é isso, não é a imposição do outro sobre você. Não é o que ele “acha” que prevalece sobre as suas vontades. Isso é parte de um modo antigo. Culturalmente, temos mudado sobre diversos aspectos. Há inclusive proteção aos direitos da mulher em relação a essa questão. Só que muitas ainda desconhecem, e aceitam viver sob maus-tratos. A violência psicológica é terrível. Tem mulher que pede ajuda as outras pessoas por não suportar as humilhações do marido. Não é amor, ela tem que aprender a dizer ” não “, e falar sem culpa. Por isso, é importante alertar
      […]

      Curtido por 1 pessoa

  1. Republicou isso em Ned Hamson's Second Line View of the Newse comentado:

    Psychological Violence is violence that leaves no marks abroad, such as physical violence, for example. More is just as harmful or worse than this. The woman who faces the pain that affects the intimate (psychological), she stops feeling love for herself. and why this happens? Because she lives in a mental confusion, due to the fuel that the man puts in the relationship directly affect her perception of reality. It is not that the woman loses her mind. It does lose, it is the ability to distinguish what is real from what is doubtful, due to a terrible loss of its “belonging”, and what is concrete, that is, reality.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: