A violência doméstica no Brasil em época de Pandemia

A mulher vive num cenário cada vez mais comprometedor, pois com a chegada da Pandemia, a violência doméstica e familiar tornou-se um flagelo mais evidente nos lares brasileiros. A violência doméstica ganhou atenção muito maior no período de isolamento por seus resultados se tornarem muito mais impactante. É claro que os problemas relacionados à violência vem desde os primórdios, e o seu processo, desde essa época tem dizimado famílias inteiras, uma vez que compromete a saúde de todos.

O problema da violência doméstica tem que ser encarado como saúde pública, pois gera um alto impacto de falecimento e morte na população como um todo. O cenário de uma família que sofre violência domestica é sempre devastador. Apesar de termos conseguido nos organizar em muitas atividades, parece que você é em família para muitas mulheres é uma tarefa desafiadora.

É sabido que discutir a violência é um tema atual, porque ainda que tenhamos conseguido progredir em relação aos direitos femininos, a gente sabe que a mulher ainda, é tentada a se submeter as vontades do homem, e a que o desobedece, na maioria das vezes, essa mulher morre.

O que contribue para o alto índice de violência na Pandemia?

Eu diria que dentre os muitos fatores, o primeiro deles, e que considero como o maior de todos é a educação. Não é que o homem letrado não possa bater. Ele também age dessa maneira, mas um pouco menos, em relação por exemplo, ao quem tem baixa escolaridade ou nenhuma. O fator socioeconômico também é outro problema. As famílias que vivem em periferias, e que estão passando pela questão do desemprego, do álcool, das drogas, são pessoas que se tornam muito mais suscetíveis ao problema. Tanto o marido como namorado, eventualmente, esse homem se tornam mais agressor com a esposa, namorada ou companheira. Quanto maior for o fator de desequilíbrio, como a pobreza, fome, e a criminalidade mais complexa torna-se a situação.

Por que a mulher que é vítima da violência tem denunciado com menos frequência?

A mulher que é vítima de violência tem denunciado com menos frequência porque ela se sente intimidada com a presença desse homem no lar. Ele passando mais tempo dentro de casa, e sendo violento, ela tem menos possibilidade de fazer alguma coisa por medo.

O silêncio é um inimigo ?

Sem dúvida. Embora há quem diga que o silêncio salva. O silêncio ao meu entender, ele corroborar com o alto índice de mortes ( feminicídio). O Brasil ocupa hoje o 5° lugar no ranking mundial de mortes de mulheres. O isolamento social trouxe ainda mais essa preocupação aos lares brasileiros.

Segundo o metropoles.com, desde o início do ano, o Brasil registra, em média, 4 feminicidios por dia. Essa é uma realidade muito triste porque somada a outras situações, essas mulheres se calando ou não, acabam sendo responsabilizadas e criticadas pela violência que sofrem. É lamentável toda essa situação, e a gente não pode responsabilizar somente a mulher por isso. É preciso mudar também a questão da responsabilidade social.

A lei específica para a mortes de mulheres é importante?

Com certeza. Essas leis, na verdade, elas acabam por sistematizar a violência, principalmente a violência gênero. Mas, vale ressaltar que a lei precisa ser severa como um todo. Enquanto o homem puder debochar das brechas que encontrar para se defender, ele dificilmente terá algum respeito. O feminicídio é um qualificador . Matar por outras justificativas, nos faz entender que a morte dar-se por um motivo fútil, como uma briga, por exemplo. Mas, isso não justifica ceifar uma vida.

A violência contra a mulher, a violência doméstica em si, é algo que a sociedade precisa discutir cada vez mais, e reprovar essa prática, porque nada, nada mesmo justifica a morte de uma mulher. Nós precisamos [re]pensar soluções que ajudem diminuir o problema. A sociedade precisa acordar para essa realidade, e não aceitar. Sentar defronte da situação e não encontrar meios para ajudar a mulher a se defender, é também uma forma de ignorar os seus direitos.

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/VEM comigo!

Imagem: colegioregistralrs.org/br

Fonte: vestibular.uol.combr

http://www.metropoles.com

Santarém, Pá 24 de Abril de 2021

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

4 comentários em “A violência doméstica no Brasil em época de Pandemia

    1. Perfeito.

      A mulher precisa ter essa consciência de que só com a denúncia essa violência vira estatística. Ela tem que dizer ” não ‘, e fazer com que aquele homem a respeite.
      A violência de fato, só vai diminuir quando essa mulher for capaz de por fim ao sofrimento, só que isso só vem pela consciência.

      Curtido por 1 pessoa

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: