Graciliano Ramos

” Foi este modo de vida que me inutilizou. Sou um aleijado. Devo ter um coração miúdo, lacunas no cérebro, nervos diferentes dos nervos dos outros homens. E um nariz enorme, uma boca enorme, dedos enormes.

Se Madalena me via assim, com certeza me achava extraordinariamente feio.

Fecho os olhos, agito a cabeça para repelir a visão que me exibe essas deformidades monstruosas.”

Para amar Graciliano: como descobrir e apreciar os aspectos mais inovadores de sua obra/ Ivan Marques. 1 ed. Barueri. Faro Editorial. São Paulo, 2017

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem (Arquivo pessoal)

Santarém, Pá 31 de janeiro de 2021

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós- graduada em Direito Penal e Processo Penal.

%d blogueiros gostam disto: