Fernando Pessoa

Perdi o bonde e a esperança.

Volto pálido para casa.

A rua é inútil e nenhum auto

Passaria sobre meu corpo.

Vou subir a ladeira lenta

em que os caminhos se fundem.

Todos eles conduzem ao

princípio do drama e a flora.

Não sei se estou sofrendo

ou se é alguém que se diverte

por que não na noite escassa

com um insolúvel flautim.

Entretanto há muito tempo

nós gritamos: sim! ao eterno.

Carlos Drummond de Andrade. Soneto da perdida esperança. Literatura Comentada. Editora Nova Cultural. Textos publicados sob licença de Carlos Augusto Graña Drummond. São Paulo, 2013

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem: Instagram/ lisboasecreta.

Santarém, Pá 22 de janeiro de 2021

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

2 comentários em “Fernando Pessoa

  1. Perder o bonde da História nda própria vida ,nos deixa deslocados…Respiremos nos centremos e vivamos as mínimas coisas,agorancom atenção plena!

    Curtido por 1 pessoa

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: