Florbela Espanca

Na vida nada tenho e nada sou;

Eu ando a mendigar pelas estradas…

No silêncio das noites estreladas

Caminho, sem saber para onde vou!

Tinha o manto do sol…quem mo roubou?!

Quem pisou minhas rosas desfolhadas?!

Quem foi que sobre as ondas revoltadas

A minha taça de oiro despedaçou?!

Agora vou andando e mendigando,

Sem que um olhar dos mundos infinitos

Veja passar o verme, rastejando…

Ah, quem me dera ser como os chacais

Uivando os brados, rouqueijando os gritos

Na solidão dos ermos matagais!…

Florbela Espanca. Mendiga. Poesia de Florbela Espanca. Vol.2. Livro de Soror saudade, Charneca em flor, Reliquae. Coleção L& PMPOCKET. Porto Alegre, 2018

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem: Pinterest. Casa Vogue

Santarém, Pá 6 de dezembro de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

%d blogueiros gostam disto: