Carolina Herrera

Eu sou suspeita para falar da Carolina, ela é uma mulher elegante no falar, no agir, na maneira de se vestir. Acredito que a palavra ‘ elegância ‘ nunca descreveu tão bem uma pessoa, como ela descreve a Carolina. Sabemos que temos aí, inúmeras referências sobre moda e estilo, mas, de fato, essa mulher criou uma imagem tão forte acerca de si mesmo, digamos um estilo ‘a la Carolina ‘ que a confiança dela se relaciona diretamente a sua marca. Essa estilista venezuelana é sensacional.

Carolina disse algo recentemente a respeito de como as mulheres com uma certa idade deveriam se portar para não perder a elegância, e vimos como isso mexeu com o ego feminino. Acredito que acabou sendo interpretada de uma maneira equivocada, e por conta desse ‘equívoco’, vamos dizer assim, surgiram duras críticas em relação a algumas observações feitas por ela. Coisas como, a partir dos 40 anos, a mulher deve adotar um outro padrão de vestimenta para envelhecer bem, ou a questão do corte de cabelo, onde este, deveria ser mais curto até por uma questão de valorização a imagem da mulher e outras coisas que colaboraram para a insegurança feminina, porque surgiram idéias controversas a partir do pensamento de Carolina.

Vamos lá, o que é importante ressaltar aqui? sabemos que a mulher brasileira, ela não busca uma referência exata ou num padrão que quer seguir. Não sei se a observações feitas por Carolina funciona para um país como o Brasil, por exemplo. Aqui, a gente quebra um pouco a questão das regras para essa coisa da moda. Digamos que os padrões estabelecidos pelo mundo da moda, perde um pouco a força, porque as exigências são outros. É importante dizer que, o que vale mesmo, é a maneira de como cada um se sente, e…se sente bem com aquilo que o conforta.

O Brasileiro não é muito de viver de conveniência, ele quebra muito a questão da postura, essa coisa do padrão mesmo. Ele tem uma grande preocupação em ser feliz, diria até mais do que, necessariamente, se olhar no espelho e dizer coisas como, ” estou ridículo ‘. Essa roupa não caiu muito bem, tem uma gordurinha sobrando aqui, ou coisas do tipo. Um exemplo – dessa quebra de paradigmas foi vista inclusive na obra do Joaquim Manuel Macedo com a obra ‘ Moreninha ‘. Esse trabalho veio para dizer ” olha, eu estou fugindo do clássico “, e por conta disso é que eu digo: ” O importante é ser feliz”. Quanto as roupas, ou o corte de cabelo é outra questão.

Todavia, respeitando o que a Carolina disse, ela sabe contribuir para a questão daquilo que forma a imagem. Tem mulheres que pensam como ela, se vestem com a mesma elegância. E no caso, a elegância a qual me retiro aqui, não tem relação com o dinheiro, porque muitas pessoas têm dinheiro, mas elegância é algo que não vem junto no mesmo pacote. Mas, acredito que as mulheres, assim como, asociedade deva ser respeitada por aquilo que veste é não preconceituosa. Isso sim, é um modelo interessante.

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem: sensivel-mente.com/ Carolina Herrera

Santarém, Pá 24 de novembro de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: