Pablo Neruda

Um ramo de acácia, de mimosa,

fragrante sol do entorpecido inverno,

comprei na feira de Valparaíso

e seguir acacia e acácia e com roma

até Ilha Negra.

Cruzamos a neve,

campos descarnados, espinheiras duras,

terras frias do Chico:

( sob o céu amorado

a estrada mora).

O mundo seria amargo

na viagem infernal, no sem- fim,

no desabitado crepúsculo,

se não me acompanhasse cada vez,

cada sempre,

a singela central

de um ramo amarelo.

Pablo Neruda. Ramo

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem: google. gilvander.com.br

Santarém, Pá 22 de novembro de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharel em direito, cursando Pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal.

2 comentários em “Pablo Neruda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: