Masculinidade exagerada ( tóxica)

Primeiramente, quero dizer que essa imagem não representa de fato, a masculinidade tóxica. Mas, quando se pensa em um título para ser trabalhado a questão do comportamento do homem agressivo, do homem que desrespeita a mulher, sempre se imagina algo nesse sentido. Embora, muito se saiba que o desrespeito e o rebaixamento da figura feminina, muitas vezes, venha por parte de homens comuns.

A masculinidade tóxica é aquela que se observa situações em que esse homem não leva desaforo para casa, porque ele foi ensinado dessa maneira. Então, ele tem um comportamento machista como o que citei acima. No caso do desrespeito, ele dar-se não só em relação a mulher, mas no caso, com outros homens também, porque tudo o que parecer ameaçador, ele chama para o braço ( porrada). Talvez, por uma razão simples, foi a única forma de diálogo que aprendeu no decorrer da vida.

O homem que apresenta uma masculinidade exagerada, ele tende a ser desagradável com todos, porque dentro da sua forma de interagir, ele busca sempre oprimir. Uma coisa curiosa e que acho interessante, é que os grandes opressores na sua maioria era homens que não praticavam nenhum tipo de exercício físico, algo que você olhava e tivesse algum tipo de receio. Não, na maioria, era só a questão do machismo que imperava ou impera nas suas decisões. Necessariamente, essa coisa ligada questão de falta de respeito, é só uma questão de comportamento e não porte físico, alto, baixo, magro, gordo. Existem mulheres fortes, e nem por isso, são escrotas. Assim como, homens também. É uma falha na questão comportamental, está ligada as atitudes, ao caráter da pessoa.

Trata-se de pessoas que foram criadas dentro desses moldes de querer levar vantagem em tudo. É o ” selvagem ” que insiste em se fazer presente nos dias actuais.

Não é difícil reconhecer uma masculinidade tóxica, porque logo de cara, se percebe a maneira de ser desse homem. É a piadinha fora de hora, é o assédio nos espaços públicos. Na própria questão de relacionamento, existe a coisa de querer domar a mulher, ou seja, para ela ficar com ele terá que se sujeitar aos seus caprichos, em suma, é uma série de coisas que justifica esse modo de agir. A mulher nesse caso, ela nunca vai poder viver uma uma relação saudável, digamos tendo o ” respeito” do parceiro, recebendo um tratamento de igual para igual. Muitas vezes, esse irá tratar a mulher com consideração enquanto ela fizer as vontades dele, do contrário, não.

Esse ” poder” do homem sobre a mulher terá horas que vai partir de um discurso amigável até, para uma agressão, como temos visto um número muito elevado em relação a violência contra a mulher. Claro que, essa questão é bastante significativa quando se considera questão ligadas à estrutura social. É exatamente, por conta de questões também ligadas à estrutura política conômica ocorrem esse tipo de coisa. São casos que devemos pensar, porque algumas situações são necessárias que haja mudanças, pois do contrário, ficaremos discutindo casos de violência sem olhar como ela tem as suas bases fixadas dentro de conceitos que foram úteis lá trás, não hoje.

Ao longo de todo esse processo de mudança, vemos que não é coincidência que a masculinidade exercida deforma exagerada continua sendo fatal para muitas mulheres. Querendo ou não, a gente sabe que ainda, existe uma proteção para alguns tipos de comportamentos violentos. Um exemplo simples é o que “menino não chorar, porque vira mulherzinha!” . Ora, isso é uma bobagem tremenda, porque vai despertar na cabecinha da criança que ele para ser homem tem que ser forte, tem que bater ao invés de respeitar a idéia quem pensa diferente dele.

Muitos homens crescem com essa concepção fracassada e com o tempo mostram os exageros que aprenderam no seu comportamento. Na prática, se condena o comportamento masculino por ser violento, não o ” A” ou ” B”. Muitos homens inclusive, se sentem envergonhados por existir um certo exagero que acaba comprometendo o comportamento de todos outros. Se sabe por exemplo, que nem todo homem é violento, que é um ser ameaçador, que age com desrespeito, ou mesmo que assedia assim mulheres em público. Muitos são completamente contrários à questão do machismo, ou quer dominar a mulher. Não, tem homem muito bem esclarecido, que não reproduz esse comportamento negativo em relação a mulher, como rebaixar, ridiculizar, humilhar ou mesmo faltar-lhe com respeito só por causa dessa questão machista de bater no peito afirmando como faz a maioria: ” Eu sou homem, porra!”.

Penso que para avançarmos na questão de inibir certos comportamentos, deve-se trabalhada a criança na fase em que é possível mudar. Não cabe mais estimular o comportamento que revela essa coisa do macho escroto. Não é aceitável que se diga para uma criança por exemplo, que se ele agir assim, vai parecer um ” maricas”. Isso é inaceitável, porque mostrar a ele o valor do pai, que futuramente a criança irá adotar e repetir os mesmos gestos lá na frente.

Enfim, é possível educar um menino para que ele tenha um comportamento de homem sem parecer um selvagem, ou um troglodita que só sabe usar a força do braço. É interessante ensinar valores que o ajude viver em sociedade sem que para isto, ele reproduza cenas de violência. Mas que tenha maturidade diante de diferentes situações.

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem: Pinterest. Outsons- Your Daily Dose of Villa Men’s Wear/ Men’s Grooming

Santarém, Pá 16 de novembro de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharel em direito, cursando Pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: