Fracasso: quando o abismo é mais esplêndido que a razão

Você já se deparou com aquela sensação de estranhamento de si mesmo (a)? Aquela falta de alegria genuína? E não é por falta de confiança em si, é por todo o movimento a sua volta. É como uma espécie de tráfego sem sentido. Você anda em torno de um círculo procurando encontrar algo que esclareça o motivo daquela incredulidade, e daquela incerteza. Basta os pensamentos seguirem em outra direção para o estresse tomar de conta da mente. E com isso, vem o período de tristeza, revolta, abandono. Do mesmo modo, surge a necessidade de ” comparação “, fui alegre aqui, nisso não”.

Após algum tempo, você percebe que teve mais períodos de perda do que ganho. Resultado: melancolia. Já não tendo o luxo de conseguir vivenciar a felicidade, todos os pensamentos de tristeza chegam com muita força, e com eles surgem coisas como a ansiedade, depressão e a sensação de fracasso.

Há pessoas que dizem que a sensação de fracasso nasce por conta do capitalismo. Uma vez que elas ficam muito dependentes do dinheiro. E por ficar vivendo o círculo dessa dependência, esquecem que existem outras formas de viver, assim como, de sentir prazer. Em parte sim, o trabalho lhes tira o prazer de viver. Mas, o luxo que o dinheiro proporciona a quem o tem, também acaba trazendo uma resposta positiva. Claro, em relação ao dinheiro há muitas contradições. Às vezes, você tem dinheiro, mas não tem mais tempo de ser feliz, por exemplo. Ou simplesmente o inverso. A verdade é que, existem muitos fatores que nos trazem preocupações.

Às vezes, a angústia, às queixas , o estresse, acaba surgindo de outros outras situações. De coisas que você se concentra para compreender e não encontra resposta. Muitas pessoas, quase nunca têm respostas para o acúmulo de perguntas que guardam consigo. Deve ser por isso que os bares e restaurantes, estamos sempre lotados. Não é porque essas essas pessoas são bons fregueses, é porque esses lugares lhes servem de fuga.

[…]

Mesmo que você seja uma pessoa apaixonada pela vida, e faça de tudo para melhorar certas certas, existe um vazio que não se consegue atribuir nome. É algo inexplicável, impossível de fazer qualquer acordo com você mesmo. A resposta nem sempre depende de você ou das suas ações. E menos ainda, depende de quem caminha a seu lado (…) Há “coisas que simplesmente, vivem ali na análise das impossibilidades “. Parece que, as mesmas, habitam lugares mais afastados de nós. Mas, o problema é que se desejar conquistar. Todavia, temos que ser capazes de criar condições para alcancá-las. Qual é o ideal do ser humano, não é ser merecedor de suas conquistas?

Caminhar é o que faz todo o nosso trajeto ter sentido. Nunca nos sentiremos completos, se deixarmos de acreditarmos que podemos ir longe. Por isso, independentemente da situação, procure não torna-se um escravo dela, não perca tempo, não perca o controle. Viva de modo que você possa se relacionar bem contigo mesmo. Que a sua sorte, a sua paz interior não dependa dobtempi, dinheiro ou pessoas, mas de você.

Superar é preciso. Busque novas soluções para os problemas mais difíceis, aqueles que lhe consome diariamente. Mas, não trave briga, procure fazer deles , grandes aliados. Assim você verá que foi sábio nessa parceria.

Marii Freire Pereira

Imagem: Pinterest. todateem.uol.com.br

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Santarém, Pá 26 de agosto de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharel em direito, cursando Pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: