Pablo Neruda

Como é o amor de quem ao amor não se nega, de quem se dá e se entrega sabendo que nele esse destino propenso tanto para a dor? É inevitável: “tu e eu tínhamos que simplesmente amar-nos”.

(O Amor Segundo NERUDA. 2016, p. 10)

Louge.obviousmag.org

Marii Freire Pereira

Imagem: Pinterest, IndizStyle

Santarém, Pá 6 de junho de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharel em direito, cursando Pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: