Metamorfose

É difícil passar por um processo de transformação. Nos construir é sempre doloroso. Se costuma optar sempre ou quase sempre, por querer ficar na nossa segura, atrás das nossas portas fechadas.

É difícil, sinceramente é difícil. Sacrificar, consiste em primeiro abrir mão de um orgulho, de algo que conquistamos através de muito investimento, esforço mesmo. E geralmente, o preço de abrir mão, significa que você tem que contar cada centavo do seu trabalho, ou seja, sua cota de responsabilidade, as suas indecisões, medos, tentativas frustradas. Sim, porque primeiro, para se conquistar algo, se passa por tudo isso. A conquista é o privilégio de todo o seu esforço, é a recompensa final. Por isso, é que esse processo de transformação nos assusta.

[…]

Assustados, somos tomados pelas incertezas, pelas tensões físicas e psicológicas que pouco a pouco vai dando aquela sensação de desânimo, coisas que nos amedronta. Com isso, o aborrecimento aparece, a falta de paciência e uma série de situações que servem para desestimular. De fato, todo processo que mexe com as nossas estruturas emocionais, principalmente essa, é um processo tenso. O ser humano, muitas vezes, tem vontade de desistir, por compreender que nem tudo vale o esforço.

Há quem prefira permanecer neutro diante das circunstâncias da vida, por medo de rolar morro abaixo, por medo de perder, de arriscar…simplesmente. A maioria das pessoas apegam-se a idéia de que, é melhor ter algo seguro, do que lutar por outro que talvez…não conquiste. Elas simplesmente escolhem o que entendem por melhor para si mesmas. Não acreditam ser capaz ir além. Mas são, são porque a expressão genuína da nossa força é aquilo que vem de dentro de nós, digo da nossa maneira de pensar. É a maneira de se posicionar diante das questões relevantes que, em parte determina quem somos na vida.

Nós somos grandes se pensarmos que somos capazes. Se a nossa vontade de vencer, for maior do que o medo que as preocupações nos despertam. É aquela coisa ” eu vou…quero, consigo”. Quando de fato, se deseja muito uma coisa, vamos atrás, caminhamos com as nossas próprias pernas. E olha que as adversidades por dentro ( psíquico), são maiores do que as físicas. Mas, é um dever que cabe a cada indivíduo. Não adianta falar, dizer ao outro como ele deve fazer, criar expectativas, abrir caminhos para facilitar os passos de quem quer que seja. Esse processo de transformação é de fato delicado.

Ninguém pode ajudar a borboleta sair do casulo, porque sim assim fizermos, podemos matá-la. A vida é assim para todos! É o processo natural. É esse romper da casca que revela a nossa beleza. Disfarce as emoções, as dores, mas nasça.

…de uma força graciosa, nasça! Eis, o fascínio da vida.

Marii Freire Pereira

VEM comigo!

Imagem: Instagram

Santarém, Pá 13 de maio de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharel em direito, cursando Pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: