As janelas

Do vermelho ao verdade todo amarelo morre

Quando cantam as araras nas florestas natais

[…]

Aves chinesas de uma asa só voando em dupla

É preciso um poema sobre isso

Enviaremos mensagem telefônica

Traumatismo gigante

Faz escorrer os olhos

Garota bonita entre jovens turinenses

O moço pobres se assoavq na gravata branca

Você vai erguer a cortina

É agora veja a janela se abre

Aranhas quando as mais recuam a luz

Beleza palidez insondáveis violetas

Tentaremos em vão ter alguns descanso

Vamos começar à meia-noite

Quando se tem tempo tem- se a liberdade

Marisco lampreia múltiplos Sóis e o Ouriço do crepúsculo

Um velho par de sapatos amarelos diante da Janela

Tours

As Torres são as ruas

[…]

Ó Paris

Do vermelho ao verde todo jovem perece

Paris Vancouver Hyère Maintenon Nova York e as Antilhas

A janela se abre como uma laranja

O belo fruto da luz.

(Guillaume Apollinaire- São Paulo: Companhia das letras. 1997.

Imagem: pt.whoort.com

VEM comigo!

Marii Freire Pereira

Santarém, Pá 27 de março de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharel em direito, cursando Pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: