Pablo Neruda

Saberás que não te amo e que te amo.

Porquanto de dois modos é a vida,

a palavra é uma asa do silêncio,

o fogo tem sua metade fria.

Eu te amo para começar a te amar,

para recomeçar o infinito

e para não deixar de te amar nunca:

por isso mesmo é que ainda não te amo.

Te amo e não te amo como se tivesse

em minhas mãos as chaves da ventura

e um incerto destino desditado.

Meu amor tem duas vidas para amar-te

Por isso te amo quando não te amo

e por isso te amo quando te amo.

Pablo Neruda. Presente de um poeta. 3.ed. São Paulo, ano: 2003.

Literatura brasileira: William Cereja e Thereza Cochar.

Publicado por: VEM comigo!

Marii Freire Pereira

Santarém, 20 de março de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós- graduada em Direito Penal e Processo Penal.

2 comentários em “Pablo Neruda

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: