O Ultrarromantismo

Foi um período composto por poetas desvinculados do compromisso com a nacionalidade, ou seja, eram poetas que voltavam-se para si mesmos, ou seja, havia a necessidade de conseguir desprender- se um pouco das características do período anterior que era dado por conta do Romantismo.

Nessa época, houveram muitas manifestações, como a questão das agremiações estudantis, jornais, assembleias e passeatas. Também tinha aqueles que se manifestavam através das chamadas tribos urbanas: pintava os cabelos, usava-se roupas rasgadas, pulseiras, colares de metal, roupas com caveira estampadas, piercing, etc. Quer, todas essas características eram próprias daquela época.

No período do Romantismo mesmo, nas décadas de1850 e 1860, os universitários de São Paulo, assim como os do Rio de Janeiro reuniram -se dando origem ao que se chama de Ultrarromantismo. Então, nota-se que eles usam isso como uma maneira de protesto.

Os Ultrarromânticos tinham uma visão dualista que envolvia atração e medo, desejo, culpa, etc. Segundo o Mário de Andrade, escritor e crítico modernista, os românticos, e principalmente os Ultrarromantismo, temiam a realização amorosa. E com isso, verificou-se por exemplo, que o ideal feminino normalmente era associado a figuras incorpóreas ou assexuada , como anjo, criança, virgem, e outros. O amor físico era algo visto apenas de modo indireto, sugestivo ou artificial.

Aí, nesse período tem-se a presença dos Ultrarromânticos como, Casimiro de Abreu: ” Amor e medo”

” No fogo vivo eu me abrasara inteiro!

Ébrio e sedento na fugaz vertigem

Vil, machucava com meu dedo impuro

As pobres flores da grinalda virgem!

Vampiro infame, eu soveris em beijos

Toda a inocência que teu lábio encerra,

E tu sérias no lascivo braço

Anjo enlodado nos pauis da terra.

…………………………………………………..

Se de ti fujo é que te adoro e muito,

És bela – eu moço;tens amor, eu – medo!…

(In: Antonio Candido e José A. Castello. Presença da literatura brasileira: São Paulo: Difel, 1968)

Imagem: O pesadelo (1790-1), de Johann Heinrich Fussli

Frankfurter Goethe- Museum, Frankfurt, Alemanha.

Literatura brasileira: William Cereja e Thereza Cochar, ano: 2013.

Comentário: VEM comigo!

Marii Freire Pereira

Santarém, 13 de março de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharel em direito, cursando Pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: