Vento na varanda

É preciso reconhecer a preciosidade que há na vida, o que há do lado de dentro da vida e que deixar sempre as janelas abertas, significa que ali, existe a possibilidade de adentrarmos e conhecermos o seu interior (…)

É bom perguntar vez ou outra, a nós mesmos, qual o caminho é mais suave para permanecemos saboreando os silêncios que a vida nos convida a conhecer, às vezes, de uma maneira tão profunda, tão significativa que vale a pena o mergulho, sem a necessidade de querer sair deles.

Eu desejo a chuva, e você? Eu gosto dos olhares desapercebidos que chegam repentinamente, e mudam a nossa rotina, que trazem respostas entre parênteses, e que esvaziam os excessos, permitindo construir somente aquilo que pousa em nossa alma.

Casa limpa com portas escancaradas refletem sempre o mais profundo do ser humano, representa a completude de sentimentos, a satisfação, um ser grandioso, completo, apto a receber a beleza que há por trás dos sentimentos. “Casa”, a qual me refiro aqui, é a nossa construção interior, não é um aglomerado de paredes, é um aglomerado de bons sentimentos. Estes, que permitem as nossas construções mais complexas.

O ser humano, dentre todas as complexidades, encontra-se se no epicentro delas. Nada é mais trabalhoso do que mexer nas nossas estruturas, nos nossos sentimentos, nas nossas inseguranças. Muitas vezes, só é possível no entardecer (…)

“A maioria de nós, só permite novas construções, a partir do momento em que olhamos a vida com uma certa maturidade…”.

É possível atribuir- nos novos valores a medida em que descobrimos a prioridade em nos amarmos. É quando de fato, nos interpretamos como verdadeiros, é quando prendemos as cortinas e deixamos o vento adentre no interior, trazendo consigo a esperança como resposta. É quando somos convidadas a ir a varanda receber toda aquela leveza de frente…

Casa convidativa e naturalmente gostosa é aquela que soube fazer do fim, o início de uma nova esperança, que deu a si, a possibilidade de um novo recomeço.

É o que o Carl Jung afirma sobre a imagem de construção do inconsciente. É nele que se corrige as imagens distorcidas que temos a respeito de nosso mesmos. Neste caso, essa casa só se torna possível habitar novamente porque se permite deixar mexer nas suas estruturas.

” O fim, na verdade, deu início a uma nova construção “.

É bom atentarmos em nossa casa e saber que nela habita bons sentimentos, não é? É porque nos depositamos nesse ambiente parte de nós. Imagine como é bom chegar na varanda, fechar os olhos e sentir o afago do vento …

…brisa suave!

Imagem: istockphoto.com

Texto: Marii Freire Pereira

Santarém, Pá 13 de fevereiro de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharel em direito, cursando Pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal.

6 comentários em “Vento na varanda

    1. Sim. Mas, eu achei tão acolhedor essa idéia de casa que resolvi escrever. Não é uma coisa boa essa mensagem que ela nos remete? Casa limpa, sempre de janelas abertas, quer dizer, disposta a receber pessoas, guardar sentimento bons. É maravilhoso porque você sempre quer voltar!..

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: