Silênciar é antes de mais nada, saber ouvir com calma aquilo que o barulho nos impossibilita.

Quem de nós nunca explodiu diante da oportunidade de ficar calado? Todos. Somos seres humanos compostos por nossas fragilidades, e conforme os nossos interesses vamos revelando a nossa verdadeira face.

Eu e você não somos diferentes em nossas instâncias de poder. Poder que machuca, que lança ódio sobre o outro, a indiferença e distância o diálogo. Em outras palavras, revela a nossa pequenez diante daquilo que não temos o domínio.

É espantoso que só diante de um choque de lucidez, nós conseguimos nos libertar dessa espécie de prisão. É, exatamente esse o sentido das ideias que vêm para machucar, perturbar, mexer com o interior de cada um, provocar… paralisar, impedir de pensar. Criando assim, uma espécie barreira que serve de proteção, e ao mesmo tempo, essas barreiras são estruturas revestidas de sofrimento.

Pode parecer bobagem, mas nós só conseguimos enxergar com olhos de doentes, porque o espírito de vitimismo aparece, mostrando que somos caricaturas, miseráveis de nós mesmos. E para piorar, quando isto, vem acompanhado de um certo comodismo, é muito mais difícil. Pois, nos falta a capacitação de compreensão. compreender a nossa real história, Quem somos, como estamos … muitas vezes, incapazes de interagir, por falta- nos condições para isto. Então, sobram perguntas, bem como, o oco de nossas relações. Essas certamente ficam interrompidas pela falta de movimento, da capacidade de criar. Romper limites, refletir. É como se morássemos numa prisão imaginária, onde se deseja a liberdade, mas não se consegue encontrar a saída porque o nosso movimento não vai de encontro da chave [ainda], que essa esteja em nossas mãos.

Não é fácil.

Somente com o próprio movimento do tempo, e o muito refletir, é que se consegue caminhar, arranca de nós esse espírito de coitadinhos. Não, ninguém precisa disso. Precisamos sim, ir à luta. Claro, no início com serenidade, respeito e calma. Respirando, dando a pausa necessária da qual precisamos. E depois , sim …lançar fora essa doença que nos mata. Quer uma verdade? Sabe quando somos realmente inteiros? Imagine um doente no leito de um hospital. Ele é um ser humano inteiro, sabe por que? Porque despiu-se de tudo, de todas as cascas , aonde muitos de nós acaba encontrando abrigo. São os malditos subterfúgios que nos aprisionam .

É interessante quando se olha para alguém que sabemos por exemplo, que se vai…

É impressionante como a vida nos pega de forma traiçoeira, faz um rebuliço, retira de nós tudo…tudo. Todas as máscaras (…), é um momento que resseca a alma….

A maturidade chega sem que se faça tanto assim para alacancá-la.

Realmente, existe um movimento em que não temos a capacidade para alavancar.. .Ele se chama…tempo.

Não há tempo para despedida. Se morre um pouquinho junto com elas…

Serenidade e mansidão você encontra nessas pessoas, ou em quem muito viveu e aprendeu com as próprias dores.

É preciso ser corajoso, deixar o farrapo de ser humano que habita em nós…partir. [Superar], essa é a palavra. Abrir mão do fere, e trabalhar novas possibilidades.

Olhar para dentro de si, inclinar-se para o interior, dando a pausa necessária que é o silêncio. Buscar estabelecer o que faz bem. É esse detalhe que faz toda diferença na minha e na sua vida. Polir com sabedoria o que trás inquietação…conseguir preencher os vazios, agora com maturidade!…

Não engraçado?..

Eu acho isso fantástico. Se você analisar todo o espaço de tempo, as nossas limitações, a questão da profundidade que o ser humano precisa alcançar para só então garantir o resgate de si mesmo, é maravilhoso. Apesar da complexidade simplesmente… é grandioso. É só através de um poder incomensurável…que isso é possível. Parece bíblico, mas só olhando para todo um estado de miséria pelo qual passou o maior homem da história , o qual deixou o exemplo de sabedoria e superação a todos, é que possível caminhar no sentido de superar as nossas próprias limitações. É ir em busca da cura de nossas próprias feridas. Que srjamos …capaz.

Silenciar…para aprofundar o que precisa ser modificado.

” NÃO RECLAME DA SORTE. É NA ADVERSIDADE QUE SE DESCOBRE O QUANTO SE É..FORTE”.

-Frase: Fábio de Melo

Imagem pública

Texto: Marii Freire Pereira.

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: