Cárcere das almas.

Ah, Toda a alma num cárcere anda presa,

Soluçando nas trevas, entre as grades

Do calabouço olhando intensidades,

Mares, estrelas,tardes, natureza.

Tudo se veste de uma igual grandeza

Quando a alma entre grilhões as liberdades

Sonha e, sonhando, as imortalidadesRasga no etéreo Espaço da Pureza.

Ó almas presas, mudas fechadas

Nas prisões colossais e abandonadas,

Da Dor no calabouço, arroz, funéreo!

Nesses silêncios solitários, graves,

Que chuveiro do Céu possui as chaves

Para abrir- vós as portas do Mistério?

CRUZ e SOUSA.

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: