Bossa Nova

” Olha que coisa mais linda

Mais cheia de graça

É ela menina

Que vem e que passa…”

Vinícius de Moraes.

Vinícius: UM CANTO DE POETA E DE CANTOR.

Vinícius nasceu no Rio de Janeiro, ficou conhecido como um grande intelectual e artistas no mundo. O nome forte da Bossa Nova, ou seja da música. Foi um grande compositor.

No ano de 1930 e 40 a obra que terminava com o poema ‘ Ariana’. O trabalho de Vinicius tinha como marca forte a questão da angústia existencial, o desejo de superação dos conflitos psicológicos tais como, a sensação de pecado e desejo.

Em suma, o que muitos de nós acaba vivendo. Já em 1950 ele despertou o interesse pela música e começou a compor. Publicou a peça Orfeu da Conceição, é depois surgiu a questões dos movimentos como foi o caso da Bossa, e teve alguns trabalhos com grandes parcerias como o Tom Jobim, Dorival Caymmi e outros.

Tem uma frase dele que é muito interessante:” O tempo do amor é irrecusável “. Tudo pode alcançar novamente. O dinheiro é um problema material. Ele acabou fazendo uso desses argumentos por conta de viver uma relação com uma pessoa especial a ele, por nome Lucinha Proença, aonde acabou voltado para o Rio após ter passado uma temporada em Montevidéu. Lugar, inclusive onde trabalhou como como funcionário da embaixada brasileira.

O trabalho do Vinicius é fantástico. Um verdadeiro presente a todos nós. As canções, a própria questão da poesia, tufo isso é um convite a conhecermos o seu trabalho.

Comentário: Marii Freire Pereira.

Brisa suave

Abro a janela

A brisa da manhã sacode as folhas

Sinto o aroma suave das flores…

O silêncio

Na minha alma

Sugere

Que aquele toque

Seja você acariciando a minha pele

[Me abrace com delicadeza]

Um carinho

Um beijo suave

Na face inviável

Me faz recompor

Os sonhos perdidos […]

Meu anjo

Meu ser de pureza

Todos os atalhos são enganos […]

Chama tudo aofundo mar…

[Só há tristeza]

Meu amor

Minha paixão

Brisa suave!…

Brisa que devora

O meu ser.

Saudades !

Saudades

Dos seus olhos

Dos olhos que se faziam de caminhos

para que eu chegasse a ti.

Agora tudo é incerto

Agora é desvario

Você é apenas um grito no meu peito

Um barulho

Um desassossego na alma.

Diminuindo a bagagem

Aos poucos descobrimos que para termos uma vida equilibrada, é preciso baixar o volume, saber que a sabedoria maior, é aquela que encontramos silêncio. Quando descobrimos isso, tudo funciona melhor. Até as expectativas em relação ao outro diminue.

Tudo na sua vida começar entrar em ordem. Até você começa a se cobrar menos. Geralmente, nos somos assim, apressados. Claro, somos humanos, temos as nossas necessidades, mas a pressa nunca foi uma boa aliada, pelo contrário, csusa-nos sempre desconfortos terríveis.

Todavia, é interessante que saibamos jogar fora os nossos excessos, até para sermos verdadeiros conosco, e depois com os outros. Quando nos sentimos realmente cansados , a melhor coisa a se fazer silenciar. É olhar para dentro de nós. Olhar para o que incomoda, para o que causa uma situação de desconforto. O que te incomodar? É um amor, é uma amizade? Planos que você faz inteiro e eles acabam trazendo alguma frustração? Entenda, se for amor, ninguém irá ficar a seu lado, sem quem essa pessoa queira. Amor é assim, uma via de mão dupla. Amizade para ser verdadeira, é preciso saber que a outra pessoa deve estar com, ou seja, disposta a manter uma relação de amizade. Não adianta forçar porque não funciona. Quantos aos planos, diminua as expectativas. Enfrente a realidade em volta do resultado que você deseja. As vezes leva tempo para que tudo possa fluir na vida. Esse é o fator que muita gente precisa distinguir.

Entenda, a vida sempre encontra uma maneira de nos envergar, mas também ela nos proporciona a oportunidade de nos refazer novamente. Então, quando conseguimos compreender isso, deixamos da dependência do amor, da amizade e uma infinidade de coisas.

É bom que se entenda que, a chave para felicidade não está na espera. É isso mesmo que você leu ‘ a chave da felicidade não está na espera. Você não pode viver em prol de uma expectativa, pensando se isso vai acontecer, ou não. Independente daquilo que se pense, pode acontece ou não. Agora, depende das suas atitudes. Mas, não fique padecendo por conta da espera. Isso é criar prisões efetivas ” dependência “. Não que nós, não tenhamos a necessidade de retribuição, temos. Mas, não crie mecanismos que venham favorecer uma forma de sofrimento.

Aprenda a diminuir a bagagem. Tire tudo, deixe só o necessário, o que é verdadeiro, o que vem gratuito. É isso que nós faz bem.

Sabe aquele vento que vem de frente e te surpreende? Queira o melhor do melhor. Esse ventinho é gostoso e é assim que devemos receber as coisas. Quando se compreende esse detalhe, acabamos ficando muito verdadeiros conosco. Deixamos a casca de lado. Isso é importante.

Imagem : Gotas de paz.com.br

Texto: Marii Freire Pereira.

Prazer em escrever

“Nada é tão seu, como as suas conquistas”. Principalmente, aquelas mais íntimas.

Primeiramente, quero dizer ‘ obrigada a todos’, são 500 curtidas que têm um significado importante para mim. Sim, comecei ” ontem…”. Na verdade, foi no primeiro dia do ano de 2020. Mas, essa idéia de fazer um blog, já passava pela minha cabeça muito antes, e foi ficando forte depois de alguns questionamentos pessoais. E posso dizer que todos eles acabaram corroborando com essa idéia, com essa conquista.

Sempre gostei muito de escrever, e a minha aproximação da Literatura, que é um caso de amor, diria que antigo por sinal, ajudou a aflorar essa necessidade de expandir as minhas idéias, bem como o trabalho de muitos autores maravilhosos que temos no Brasil . Aliás, aLiteratura brasileira é riquíssima, temos aí, posso dizer, uma gama de autores que são um verdadeiro convonte a leitura. Começando pelos nossos gênios, entre eles (Machado de Assis, Guimarães Rosa ), e Carlos Drummond de Andrade que é uma delícia de ler e, muitos outros. Há também coisas pessoais, como reflexões que escrevo e outros.

Escrever é sempre um grande prazer!

Desde já, deixo aqui o meu agradecimento!!

Obrigada.

Beijo grande no coração de todos!!

Quarenta Anos

A vida é para mim, está se vendo

Uma felicidade sem repouso;

Eu nem sei mais se gozo, pois que o gozo

Só pode ser medido em se sofrendo

Bem sei que tudo é engano, mas sabendo

Disso persisto em me enganar…eu ouso

Dizer que a vida foi o bem precioso

Que eu adorei. Foi meu pecado…Horrendo

Seria, agora que a velhice avança,

Que me sinto completo e além da sorte,

Me agarrar a esta vida fementada

Vou fazer do meu fim minha esperança

Oh sono, vem!…Que eu quero amar a morte

Combo mesmo engano com que amei a vida.

Mário de Andrade.

Imagem: Marii Freire Pereira

Literatura brasileira/2013

Modernismo

No século XX, surgiu o Modernismo trazendo um significado maior a tudo relacionado a arte plástica, música e cinema. Esse período ficou conhecido também por todo o período científico, as invenções, a própria Guerra Mundial, etc. Mas, o foco interessante nisso, foi a libertação, a quebra de vínculo com o passado, ou seja, houve a necessidade de viver uma sintonia com mentalidade daquela época. Então

Podemos citar no campo da arte, o trabalho do pintor surrealista grego Giorgio Chirico , como temos aqui, o retorno do filho pródigo ( Galeria de Arte Modrna), em Milão, Itália. Assim como, diversos outros trabalhos de personagens bastantes conhecidos, como o Mário de Andrade.

” O que caracterizou esta realidade em

o movimento modernista, impôs é, a meu

ver, a fusão de três princípios fundamentais: o direito permanente à pesquisa estética; a atualização da inteligência artística brasileira; e a estabilização de uma consciência criadora nacional “

( Mário de Andrade.

Imagem : Galeria de Arte Moderna, Milão

Comentário da História Social Do Modernismo: Literatura brasileira/2013

Marii Freire Pereira

As Rosas Não Falam

Bate outra vez

Com esperança o meu coração

Pois já vai terminando o verão

Enfim

Volto ao jardim

Com a certeza que devo chorar

Pois bem sei que não queres voltar

Para mim

Queixo-me às rosas

Que bobagem

As rosas não falam

Simplesmente as rosas exalam

O perfume que tenho por ti, ai…”.

Cartola

As Rosas Não Falam

https://m.letras.mus.br

Marii Freire.

DOM

De um lado vem você com seu jeitinho

Hábil, hábil, hábil

E pronto!

Me conquista com seu dom

De outro esse seu jeito petulante

WWW

ponto

poderosa ponto com

É esse o seu modo de ser ambíguo

Sábio, sábio

E todo encanto

Canto, canto

Raposa e sereia da terra e do mar

Na tela e no ar

[…]

Um método de agir que é tão astuto

Com jeitinho alcançará tudo, tudo

É só se entregar, é não resistir, é capitular

*Versão de Dom Casmurro para o cinema.

CÉLEBRE, Machado de Assis é esse homem que assim como “CAPITU”, nos ‘arrasta’, conquista de modo, a nos deixar degustando um silêncio maior ao ler essa obra. Claro, neste caso, retirando os olhos de cigana oblíqua, rsrs!…

É Dom!…

Ao ler Macho, todos nós, acabamos ficando fascinados por essa perfeição dele conseguir traduzir os dramas humanos com tanta veracidade. Isso observando a versão crítica, bem como , o lado romântico. Posso afirmar categoricamente que a obra de Machado é sempre um convite.

O interessante desse trabalho é o fato de ser enigmático. Pois, se você explorar com cuidado toda a questão do triângulo amoroso, ele não trás uma resposta. Mas, o fim sugere uma interrogação. O que é maravilhoso. Portanto, se você deseja conhecer mais trabalho, pesquise.

Tem um site muito bom que é o:

W.W.W domínio público. gov.br

Através dele consegue ter acesso a muitos trabalhos.

Confere lá!

Imagem : Literatura brasileira/2013

É um livro da Editora Atual, muito bom.

Essa foi uma versão criada para o cinema, então consegui capturar com a minha própria câmera a imagem do livro.

Marii Freire Pereira.

Travessia

Um suspiro

Uma dor

Uma guerra renascia em sua alma

Sem fôlego

Sem sonhos

Assim ela passava os seus dias.

Olhos fechados

Coração palpitante

Distante de tudo

Invisível, ela criara um caminho de delírios.

De solidão.

De dor

De abismos

É como se, de repente, ela tivesse criado uma cama de atropelos […]

Na alma

No silêncio funéreo.

A tristeza a definhava todos os dias.

Pálida, tinha nos lábios um pequeno balbuciar – amor!

Dizem que ela se desfolha em ilusão amorosa

Que faz sua cama na ausência de um sentimento que recorda

Nos sonhos que povoam a alma

mas que já não trás vida.

Segue na curva de um vulto

quem sabe com os olhos fadigados

Entre

E no mar do amor e encerre a sua nobre…’ despedida’ .

Imagem pública. Criação:

Marii Freire Pereira