Coisas têm preço, pessoas têm valor

Diante da calamidade do coronavirus vivida pela população, temos compreendido que o valor do ser humano tem sido muito baixo para essa frase logo acima fazer jus a toda essa situação emblemática que vive o país hoje.

Segundo o diariodocentrodomundo.com.br, A cidade de São Paulo, ultrapassou os 600 óbitos diários por covid. Sem dúvida, esses números assuntam, porque fazendo uma relação com o mês anterior […], as mortes seriam menor, algo aí por volta de 400 vítimas. E hoje os dados preocupam por esses números terem aumentado significativamente. As pessoas estão morrendo porque há caos em toda parte. Há omissão tanto da população, como também da parte do governo. A população não é tão inocente, que não consiga cumprir regras básicas de higienização. O governo porque tem dado um ” jeitinho” de se esquivar de suas obrigações. E o pior, a saúde vive um colapso, porque os hospitais já não conseguem oferecer um tratamento de qualidade as pessoas. A situação é tão crítica que existe gente morrendo por falta de um leito de UTI. Cuidados básicos, era algo que Manaus não estava conseguindo oferecer aos pacientes. Pessoas estavam morrendo em casa.

O sistema de saúde brasileiro não estava sequer preparado para lidar com uma demanda como essa. Não havia profissionais qualificados suficientemente para dar suporte a essa questão provocada pelo coronavirus. A fragilidade na saúde foi vista de modo escandaloso, porque não se conseguiu manter o controle sobre a situação, e o diagnóstico foi o caos total na saúde. O Estado por sua vez, tem a obrigação de oferecer tratamento adequado as pessoas. Todavia, a questão é tão emblemática que nem os planos particulares, visto aí por muitos como ‘eficiente’ conseguiram atender a necessidade de quem faz uso destes. Não é possível que estejamos submetendo as pessoas a tratamentos homeopáticos […]. Se assim estamos, qual é a expectativa que se tem sobre a vida?

Se você fizer uma comparação com o passado por exemplo, a gripe espanhola levou tanta gente. Mas, uma coisa tinha que ser observada: as urgências daquela época, deveriam ter sido favoráveis ao melhoramento da saúde hoje, pois de ‘lá pra cá ‘diferentemente do caos atual, eles não tinha o conhecimento que temos. Hoje o que falta é ” boa vontade ” por parte dos governos, digamos uma ‘atenção especial a saúde’.

O que devemos fazer.

Diante dessa realidade a população precisa colaborar. Fazer uso de máscaras, manter o distanciamento social e, não esquecer de que a vacina também é uma questão de direito. Governo cumpra a sua parte. Mais sofrimento só aumenta o caos.

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagem: opovo.com.br

Informações: diariodocentrodomundo.com.br

Santarém, Pá 16 de março de 2021

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

6 comentários em “Coisas têm preço, pessoas têm valor

      1. Verdade Filipa. E outro fator importante também relacionado a essa questão é quem tem nascido menos crianças. E por conta da pandemia tem morrido mais pessoas e a população vem envelhecendo, ou seja, estamos encolhendo gradativamente.

        Curtido por 1 pessoa

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: