NATAL: por que tantos desprezam o real sentido desse acontecimento? Será que o nascimento de Jesus é uma idéia real ou uma construção articulada ao comércio que fatura no final de ano?

Quando se fala em Natal, lembra-se de um dos momentos mais significativos da história da humanidade que é o nascimento do menino Jesus. Umas das expressões mais genuínas da alegria humana. Quando falamos na festa natalina, logo se imagina os bastidores do coração daqueles que amam esse Pai muitíssimo. Natal, é tempo de renovação, de transformação interior. Tempo das decisões humanas ganharem novos significados.

” Natal é tempo de renascer “.

Quando falo ” renascer”, estou fazendo usou de uma metáfora. Necessariamente, esse ‘nascer’, não significa que de fato, você deva passar pelo mesmo processo biológico duas vezes, que é o de vir ao mundo novamente. Nada disso, chamo atenção para a sua consciência, falo os seus gestos, atitudes, estado emocional É tudo mais. É o momento para você ter a consciência sobre quem é

NATAL é um momento de construção. Construção entre você e o mundo”.

Essa colocação parece distorcida, porque numa interpretação mais próxima do que esse momento pede, essa construção não seria nada humana. Mas, divinal. No entanto, vemos o que? O vislumbramento do mundo exterior. Tudo o que pensamos é festas, comemorações, bebidas, e ao chegar meia noite, as pessoas já se excederam tanto na bebida alcoólica que nem vêem a chega do Natal. Pensam única e exclusivamente nelas próprias.

Por que viver o Natal?

Porque o Natal é o compromisso que temos em comunhão com nós mesmos, sobre a idéia de imaginar a descrição de Jesus vindo a esse mundo tão conturbado. É esse Cristo imaginável que a maioria das pessoas não conseguem alcançar, ou seja, essa é uma realidade inatingível, ao menos para muitos, porque a mente humana se prende em vários detalhes a ponto de se desvirtuar do que esse momento tem a nós dizer.

Natal é tempo de renovação, de despertar para o que ainda dorme em nós.

O maior espetáculo do natal é esse que somos convidados a pensar na chegada daquele que veio para trazer luz ao mundo. É o momento de querer que o novo aconteça. Todavia, esse desejo de quer que o ‘melhor de fato, aconteça’ irá depender do que eu consigo fazer de diferente para que ele se torne uma realidade. O período como ele mesmo sugere, é sobre refletir numa festa silenciosa e não aquela em que estou preocupado com a roupa que vou vestir. Se vou ” causar” com o meu vestido decotado ou quantas bebidas irei ingerir para dizer que o natal seja bom.

O Natal a cada ano que passa, tem perdido o seu significado. E quando se fala a respeito disso, vamos uma série de atrativos que têm dado um novo significado para esse acontecimento. O comércio por exemplo, apela para promessas tentadoras.

Todos os anos, as pessoas querem ganhar presentes, é não é qualquer presente…

” Quanto mais caro, melhor”.

O consumidor, se vê cada vez mais tentado a comprar. Sentimentalmente, ele cede aos apelos envolventes das propagandas que o induz adquirir um produto que ‘aparentemente ‘ diz que o natal será melhor se você comprar aquele produto- porque ele tem a marca do Natal.

Diante de apelos irresistíveis, o consumidor de vê atraído, fazendo com que o comércio, todos os anos fature valores altíssimos com datas comemorativas. Primeiro tem-se o dia das mães, depois com Natal e ano Novo.

Compras onlines, é também uma ” das” facilidade criada para atrair o consumidor. O conforto do lar com a praticidade de adquirir produto com a sua cara, gosto e preferência, faz com que esse mercadão ganhe mais adeptos.

E pouco a pouco, a idéia de família junta para comemorar o nascimento de Jesus, vai sendo substituída pelo pelos brilhos das lojas. Das mais populares, as marcas famosas do mercado, as pessoas vestem a idéia natalina com aquilo que elas têm no bolso.

Consumidores exigentes, pedem que o mercado inove para atender as suas expectativas. Um exemplo disso é que, o perfume daquela ‘atriz famosíssima’ tem que vender bastante para que as mulheres se sintam irresistíveis.

Entre os produtos mais vendidos temos como exemplo: Bolsas, tênis, relógios, perfumes e cosméticos, são os ” queridinhos” mais presenteados no período natalino. Artigos que ajudam a compor a idéia de natal como árvores e guirlandas também estão na lista dos produtos mais vendidos dessa época.

Ano a ano, o natal só faz sentido se tiver presente. A idéia que remete o natal, é aquela que pode ser vendida em qualquer vitrine. Com dinheiro ou sem ele, vivendo ou observando as outras pessoas comemorarem esse momento em seus lares, juntamente com a familia, temos a impressão de que qualquer ser humano pode ir a uma loja e vestir o espírito natalino. Para isso, basta comprá -lo.

Diante dessa realidade, deixo a pergunta: quanta custa a felicidade, o amor, a confraternização em família? Afinal de contas, o que comemoramos? No dia seguinte, o que você consegue renovar por dentro, é o mesmo reflexo do que quis externar? Qual é a reflexão que nos remete o Natal?

Marii Freire Pereira

https://pensamentos.me/ VEM comigo!

Imagens: elo 7.com.br/ reddit/ Mogi News/ Tudoparahomens.com.br/pin em vitrine, google/ Marija StojKoic, Pinterest.

Santarém, Pá 22 de dezembro de 2020

Publicado por VEM comigo!

Bacharela em direito, Pós graduada em Direito Penal e Processo Penal.

2 comentários em “NATAL: por que tantos desprezam o real sentido desse acontecimento? Será que o nascimento de Jesus é uma idéia real ou uma construção articulada ao comércio que fatura no final de ano?

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: